Tamanho do texto

Roupa foi utilizada por estudantes do 3º ano do ensino médio durante evento chamado de "Dia do Mico"; escola diz não compactuar com a atitude

Estudante faz gesto de saudação nazista ao lado de outros dois indivíduos com fantasia da Ku Klux Klan
Reprodução/Facebook
Estudante faz gesto de saudação nazista ao lado de outros dois indivíduos com fantasia da Ku Klux Klan

Alunos de um colégio particular em Salvador (BA) se fantasiaram de membros da sociedade racista Ku Klux Klan durante um evento promovido pela direção da escola e chamado de “Dia do Mico”. As fotos foram divulgadas em redes sociais e provocaram polêmica entre os internautas, que acusaram a coordenação de promover práticas discriminatórias.

Leia também: Após gafe racista de ministro, Joaquim Barbosa cogita candidatura em 2018

Em uma das imagens publicadas na internet, um garoto fazendo saudação nazista com o braço direito ao lado de outros dois jovens vestidos com roupas da Ku Klux Klan . Um dos encapuzados segurava uma cruz, objeto também característico do grupo.

Após a viralização das fotos, internautas cobraram uma resposta das autoridades diante das fantasias que se referem a práticas racistas . “Será que a cor da pele define a qualidade do ensino? Vejam a posição das mãos os gestos, a geração. Negros, uni-vos. O racismo é institucional, tem nome e lugar. Ministério Público, mostre a sua face branca”, diz uma das críticas.

Direção do colégio diz que não compactua com as fantasias que fazem referência ao grupo Ku Klux Klan
Reprodução
Direção do colégio diz que não compactua com as fantasias que fazem referência ao grupo Ku Klux Klan














Leia também: MPF entra com ação contra Jair Bolsonaro por causa de declarações racistas

Outro usuário do Facebook ressaltou o fato de Salvador ser considerada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) como a cidade mais negra fora da África. “Dá para acreditar que são alunos do Colégio Anchieta de Salvador em pleno 2017?”, questiona.

Versão do colégio

Em nota, o Colégio Anchieta afirmou que as fantasias citadas são “incoerentes com os objetivos do [Dia do] Mico e com a Filosofia” da escola. “Contudo, como educadores, sabemos que no trabalho com jovens, vez por outra, eles podem se equivocar no agir e no pensar, o que requer nossa orientação como parte efetiva de intervenção no mundo adolescente, fase em constante formação.”

“Vale ressaltar que o Colégio Anchieta não comunga com as referidas encenações independentemente da intenção delas. Logo, não queremos minimizar os fatos. A Missão do Anchieta é formar pessoas para transformar o mundo e, neste contexto de formação, o Amor é o valor ético e o caminho para tratar o medo e a dor presentes no mundo contemporâneo”, acrescenta do texto.

Leia também: Lei de cotas para negros em concursos públicos é reconhecida pelo STF

“Como educadores estamos mobilizados e refletindo acerca do acontecimento, inclusive, trabalhando com os alunos da 3ª série do EM na viabilização dos encaminhamentos, de maneira formativa e consciente da não naturalização dos fatos e no reconhecimento de que não são condizentes com os princípios e objetivos de humanização da Educação Anchieta, que se fundamenta no tratamento a todos em condição de igualdade, sem discriminação de classe, raça, gênero e religião”, finaliza a nota.

História

A Ku Klux Klan foi fundada no século 19 nos Estados Unidos após o fim da guerra civil norte-americana. O grupo era contrário à expansão dos direitos da população negra e seus integrantes usavam capuzes brancos para perseguir e aterrorizar as vítimas sem que fossem identificados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.