Tamanho do texto

Funcionários e servidores dos ministérios só conseguem acesso a pé ou por vias auxiliares. Até a manhã desta sexta, ônibus e metrô estavam paralisados

Congresso Nacional amanheceu com segurança reforçada nesta sexta-feira (28), dia em que centrais sindicais convocaram uma greve geral
Reprodução/Wikipedia
Congresso Nacional amanheceu com segurança reforçada nesta sexta-feira (28), dia em que centrais sindicais convocaram uma greve geral

O prédio do Congresso Nacional amanheceu com segurança reforçada nesta sexta-feira (28), dia em que centrais sindicais convocaram uma greve geral. As visitas guiadas às dependências da Câmara e do Senado, que já estão suspensas há uma semana, continuam proibidas por prazo indeterminado.

Leia também: Ônibus, CPTM e Metrô não funcionam em São Paulo; vias estão bloqueadas

Desde a 0h desta sexta-feira, dia de greve geral no País, o acesso de carro à Esplanada dos Ministérios foi fechado. Servidores e demais funcionários dos ministérios só conseguem chegar aos seus locais de trabalho a pé ou por vias auxiliares.

Além do gramado em frente ao Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Ministério das Relações Exteriores foram cercados por grades. Muitos ministérios estão com parte das fachadas coberta por tapumes. A Secretaria de Cultura do Distrito Federal informou que a Biblioteca Nacional, o Museu da República, o Centro Cultural Três Poderes e o Memorial dos Povos Indígenas, que ficam na Esplanada, também não abrirão hoje por causa dos protestos contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo do presidente Michel Temer.

O governo do Distrito Federal não informou quantos policias militares atuarão no reforço da segurança, mas muitos do serviço administrativo podem ser acionados para atuar nas principais vias do DF, juntamente com o Batalhão de Choque, a Cavalaria e a Rotam (Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas).

Apesar de vários carros de som de centrais sindicais estacionados no começo da Esplanda, até a publicação desta reportagem ainda não havia movimentação de manifestantes na região, mas a expectativa é de que ainda hoje, pelo menos 10 mil passem pelo local. Para evitar tumulto, dois cordões de revista pessoal serão montados pela PM nos acessos à Esplanada pela rodoviária do Plano Piloto e pelos anexos dos ministérios. Não será permitido chegar ao local com cabos de bandeiras, sprays, objetos perfurantes ou cortantes, flechas e garrafas de vidro.

Leia também: Rio de Janeiro tem manhã de protestos em dia de greve geral

O esquema montado para esta sexta-feira prevê ainda equipes do Batalhão de Trânsito e do Corpo de Bombeiros na área central da capital federal para atender a emergências.

Aeroporto de Brasília

As vias de acesso ao Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek estão liberadas e o tráfego flui sem problemas. As pistas foram bloqueadas nos dois sentidos por volta das 5h30. Os manifestantes fizeram barreiras, com pneus em chamas. A Polícia Militar chegou a interditar os acessos às pistas até que os bloqueios fossem retirados.

A Inframerica, empresa concessionária que administra o terminal, informou, por meio de comunicado publicado em sua página na internet, que, apesar da paralisação, o terminal está operando, mas que podem ocorrer atrasos nos voos.

Leia também: Greve geral: Veja os direitos dos trabalhadores afetados pela manifestação

A empresa aconselha aos passageiros consultarem a situação de seus voos com as companhias aéreas antes de se deslocar para o aeroporto. A Inframerica informa ainda que dos 26 voos previstos para o período da 0h às 6h, quatro voos sofreram atrasos acima de 30 minutos e dois foram cancelados.

Transporte público

Por causa da greve geral, os ônibus e o metrô continuam parados, e as pessoas se deslocam para o trabalho usando o transporte alternativo, como vans, táxis e veículos particulares.

*Com informações e reportagem da Agência Brasil