A UFPR disse que investiga as suspeitas de irregularidades no pagamento de bolsas e auxílios desde dezembro
Rodrigo Juste Duarte/Divulgação UFPR
A UFPR disse que investiga as suspeitas de irregularidades no pagamento de bolsas e auxílios desde dezembro

A Polícia Federal (PF), em ação conjunta com a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU), deflagrou nesta sexta-feira (3), a segunda fase da Operação Research, no intuito de combater o desvio de recursos públicos destinados à Universidade Federal do Paraná (UFPR).

A primeira fase foi deflagrada em 15 de fevereiro . Os alvos eram repasses irregulares de recursos mediante pagamentos sistemáticos, fraudulentos e milionários de bolsas a inúmeras pessoas sem vínculos com a UFPR  entre 2013 e 2016.

De acordo com a Polícia Federal, a fase da Research deflagrada nesta sexta-feira tem como foco "a prisão do núcleo de pessoas que agia com o objetivo de desviar recursos públicos, a título de bolsas, da Universidade Federal, em conluio com duas servidoras públicas da Universidade Federal do Paraná, que foram presas preventivamente na primeira fase".

Cerca de 50 Policiais Federais e servidores do Tribunal de Contas da União e Controladoria-Geral da União cumprem 19 mandados judiciais, sendo seis mandados de busca e apreensão, cinco de prisão temporária e oito de condução coercitiva nas cidades de Curitiba (PR), Campo Grande(MS), Sorocaba (SP) e Erechim (RS).

Leia também: Com universidade e estado em crise, Uerj adia volta às aulas pela quinta vez

Nesta fase também estão sendo cumpridos mandados de condução coercitiva contra outros três supostos bolsistas, antes desconhecidos da investigação, dentre outros envolvidos no esquema.

Você viu?

O nome da operação é uma referência ao objetivo central das bolsas concedidas pela unidade, destinadas a estudos e pesquisas pelos contemplados. Em inglês, "research" significa pesquisa.

O que diz a UFPR?

Em nota divulgada no mês passado, a universidade afirmou que as suspeitas de irregularidades no pagamento de bolsas e auxílios são objeto de investigações internas na instituição desde dezembro de 2016, "quando a própria universidade também tomou a iniciativa de encaminhar o caso à Polícia Federal, para investigação criminal".

Logo que tomou conhecimento da suspeita de desvios de verba pública, a administração da reitoria do ano passado, segundo a nota, determinou a abertura de sindicância para investigar os envolvidos.

Tal sindicância corre em sigilo, mas tem o prazo de conclusão de 60 dias, prorrogáveis por mais 60. A previsão de término dos trabalhos, portanto, é para meados de abril.

Leia também: "Lavagem cerebral" ou "Lei da Mordaça": Escola Sem Partido divide opiniões

Por determinação do atual reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca, as duas servidoras suspeitas de envolvimento no caso foram suspensas do exercício de suas atividades funcionais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários