Tamanho do texto

Após prometer tolerância zero a pichadores e apagar grafites da Avenida 23 de Maio, prefeitura quer aumentar valor da multa por pichação para R$ 5 mil

Estátua do apóstolo Paulo, na Praça da Sé, foi manchada com tinta em protesto aos grafites apagados pela prefeitura
Rovena Rosa/Agência Brasil
Estátua do apóstolo Paulo, na Praça da Sé, foi manchada com tinta em protesto aos grafites apagados pela prefeitura

 Mesmo em meio a protestos e críticas, a Prefeitura de São Paulo mantém sua posição contra pichaçao. Só na madrugada deste sábado (28), doze foram detidos em flagrante pela GCM (Guarda Civil Metropolitana). Destes, seis foram flagrados pichando um edifício na esquina das avenidas São João e Duque de Caxias, no centro. Outro grupo de seis menores de idade foi detido pichando estabelecimentos comerciais na Rua Estela, na Vila Mariana.

LEIA MAIS: Justiça suspende proibição de tatuagens em concurso para Polícia Militar em SP

Todos os doze foram liberados, assim como Pedro do Amaral Souza, que pichou a estátua do Apóstolo Paulo, na Praça da Sé, com tinta vermelha na última quarta-feira (25). A pichação ocorreu em frente à catedral onde o prefeito João Doria assistiu à missa em celebração ao aniversário de 463 anos da cidade.

A prefeitura informou que entrará com ações civis públicas na Justiça contra todas as pessoas que já foram detidas por pichar prédios e monumentos públicos. “A primeira série de ações será protocolada no início da semana que vem contra 26 pichadores e os responsáveis por quatro menores envolvidos em atos de pichação e solicitará o ressarcimento dos danos causados e o pagamento de multas”, diz a nota.

LEIA MAIS: Justiça suspende proibição de tatuagens em concurso para Polícia Militar em SP

Quem é pego pichando está sujeito a uma multa de R$ 767,53, mas a ideia da prefeitura é aumentar o valor para R$ 5 mil, quantia que será dobrada em caso de reincidência.

Combate ao pixo

Mural do grafiteiro Eduardo Kobra na Avenida 23 de Maio foi preservado, mas foi alvo de manifestação no dia segunte
Rovena Rosa/Agência Brasil
Mural do grafiteiro Eduardo Kobra na Avenida 23 de Maio foi preservado, mas foi alvo de manifestação no dia segunte

As críticas ao prefeito João Doria tiveram início após a prefeitura apagar os grafites que haviam sido pintados, em acordo com a gestão anterior, do ex-prefeito Fernando Haddad, na Avenida 23 de Maio.

Em diversos pontos da cidade, pichadores deixaram recados ao prefeito criticando às ações do programa Cidade Linda.  Os pichadores escreveram, inclusive, sobre o mural do grafiteiro Eduardo Kobra, que havia sido preservado pela ação de remoção feita pela administração municipal.

Em entrevista na última quinta-feira (26), Doria destacou que a prefeitura vai combater os pichadores. “Nós não vamos admitir a presença de pichadores. Respeitaremos os muralistas e grafiteiros. Se eles pensam que com ataques, com pichações, vão inibir a ação do prefeito, ao contrário, a perseverança só aumenta para defender a cidade”, disse.