Tamanho do texto

Apesar de um atraso na entrada dos familiares, a entrega de alimentos não registrou grandes confusões e não foram permitidas visitas aos detentos

Seap só autorizou a entrada de visitantes cadastrados no Compaj e não permitiu entrega de alimentos não perecíveis
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Seap só autorizou a entrada de visitantes cadastrados no Compaj e não permitiu entrega de alimentos não perecíveis

Depois da rebelião nos presídios de Manaus, a rotina volta a se estabelecer no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). Nesta terça-feira (17), familiares puderam levar comida para os detentos pela primeira vez no ano. A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) anunciou que a entrada aconteceria a partir das 8h, mas a entrega só teve início às 10h30. Não houve confusão apesar do atraso.

+ Facções promovem carnificina com 56 mortos no maior presídio do Amazonas

Uma fila se formou em frente ao ramal que dá acesso ao Compaj . O mesmo caminho leva ao Instituto Penal  Antônio Trindade (Ipat) e ao Centro de Detenção Provisória (CDP), mas hoje a entrega de alimentos era exclusiva aos detentos do Compaj. Os parentes, em sua maioria mulheres, enfileiraram suas sacolas de comida sob o olhar cauteloso de agentes da Força Nacional e se sentaram para aguardar a verificação.

Uma funcionária da Seap foi conversar com os parentes às 10h30, logo antes da abertura dos portões. Os familiares se aproximaram da funcionária a fim de receber mais informações e saber se poderiam ver os detentos. Só foi permitida a entrada de alimentos não perecíveis e que não necessitam cozimento.

+ Detentos mortos no Amazonas haviam feito denúncias sobre corrupção em prisão

"Nada que precise de fogo e gás vai entrar”, alertou a funcionária. Alimentos como macarrão, arroz, feijão e ovos, que eram visíveis em muitas das sacolas, retornaram para casa com os familiares. Cada detento pode receber um limite de 20 itens, seguindo regra estabelecida pela Seap.

Com todas as informações esclarecidas, foi iniciada a verificação, que só autorizou a entrada de pessoas cadastradas previamente. Algumas das visitantes, principalmente as idosas e gestantes, reclamaram da falta de transporte ao longo do ramal. Carregando sacolas pesadas, os parentes tiveram de caminhar dois quilômetros até o portão do Compaj.  Enquanto uns carregavam seus pacotes nos ombros, outros levaram carrinhos de supermercado para carregar menos peso.

+ Chacina foi o objetivo da rebelião em Manaus, não sua consequência, diz juiz

O Compaj não foi a única penitenciária a autorizar a entrada de comida nessa terça-feira. Os detentos da Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa e da Unidade Prisional do Puraquequara também puderam receber alimentos e itens de higiene. Na quarta-feira (18) será a vez do CDP e do Ipat e na quinta-feira (19) as detentas da Penitenciária Feminina de Manaus e do CDP feminino receberão itens de familiares.

*com informações e reportagem da Agência Brasil