Tamanho do texto

Governo estadual e Ministério da Justiça estudam ampliar efetivo da Força em Rio Grande do Norte, após rebelião em presídio que deixou 26 mortos

Caio César Marques Bezerra, secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte, disse, em entrevista à imprensa que o Ministério da Justiça e o governo do estado estudam a possibilidade de ampliar o efetivo da tropa da Força Nacional no Rio Grande do Norte, após rebelião .

+ Rebelião: força-tarefa para identificar mortos; governo confirma 26 vítimas

Força Nacional já está no estado desde setembro de 2016. Permanência foi prorrogada
Arquivo/Agência Brasil
Força Nacional já está no estado desde setembro de 2016. Permanência foi prorrogada

A Força Nacional está no estado desde setembro de 2016. As tropas estão auxiliando a Polícia Militar em ações de policiamento ostensivo. Na última segunda-feira (9), o Ministério da Justiça e Cidadania autorizou a prorrogação da permanência da Força por mais 60 dias.

“O apoio da Força foi imprescindível para que a PM intensificasse o patrulhamento. Existe a possibilidade da ampliação do efetivo no estado”, disse o secretário.

Em nota, Alexandre de Moraes, ministro da Justiça e Cidadania, lamentou as mortes que aconteceram na rebelião na penitenciária do último sábado (14). De acordo com o governo do Rio Grande do Norte, ao menos dez presos morreram.

"E agradece, em nome do presidente Michel Temer, o empenho das forças policiais que atuaram em defesa da sociedade, evitando fugas e controlando a situação", diz a nota liberada pelo ministério. 

Rebelião em Alcaçuz: Governo afirma ter identificado seis responsáveis por motim

O Ministério da Justiça ainda confirma que o governador do estado, Robson Faria, entrou em contato com o ministro Alexandre de Moraes, neste domingo (15), para comunicar o fim da rebelião. De acordo com o ministério, governador agradeceu o apoio da Força Nacional.

Conforme a nota, o ministro autorizou, a pedido do governador, "que parte dos R$ 13 milhões do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), liberados no dia 29 de dezembro de 2016 para modernização e aquisição de equipamentos, seja utilizada em construções que reforcem segurança no presídio".

Rebelião em Alcaçuz

A rebelião na Penitenciária Estadual de Alcaçuz , que começou na tarde deste sábado (14) e deixou 26 mortos, de acordo com o governo do Rio Grande do Norte, é a quarta rebelião com mortes que acontece dentro de presídios em 2017, em apenas 15 dias. A razão suspeita para a rebelião no presídio de RN, a 25 quilômetros de Natal, seria confronto entre as facções Primeiro Comando da Capital (PCC) e Sindicato do Crime RN. Mas o governo do estado não confirmou a informação.

A primeira rebelião com mortes do ano foi a segunda maior da história e aconteceu no Complexo Penitenciário Anísio Jobim ( Compaj) em Manaus, em que 60 pessoas foram mortas no dia 1º de janeiro. Uma semana depois do ocorrido, agentes da Força Nacional desembarcaram em Manaus  para reforçar a segurança.

* com informações de Agência Brasil