Jair Renan, quarto filho de Jair Bolsonaro
Reprodução/ Instagram bolsonaro_jr
Jair Renan, quarto filho de Jair Bolsonaro

A defesa de Jair Renan Bolsonaro, filho mais novo do presidente Jair Bolsonaro , pediu à Polícia Federal o adiamento do depoimento dele no inquérito que apura suposto pagamento de vantagem indevida por um empresário . O interrogatório estava previsto para quarta-feira, mas acabou adiado a pedido do advogado Frederick Wassef, que alegou não ter tido acesso aos autos da investigação.

Com isso, o depoimento deve ser remarcado. Há uma expectativa que ocorra ainda nesta semana, porque o Judiciário entrará em recesso a partir da próxima semana, mas ainda não foi definida uma data. Outros alvos do inquérito também serão ouvidos pela PF.

A investigação tramita na Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal. Documento do inquérito aponta que houve associação de Jair Renan com outras pessoas "no recebimento de vantagens de empresários com interesses, vínculos e contratos com a Administração Pública Federal e Distrital sem aparente contraprestação justificável dos atos de graciosidade. O núcleo empresarial apresenta cerne em conglomerado minerário/agropecuário, empresa de publicidade e outros empresários".

Leia Também

Outros alvos da investigação também devem ser ouvidos ao longo da semana. O inquérito está na reta final, de acordo com fontes que acompanham o caso. Depois, a PF produzirá o relatório final para apontar se houve cometimento de crime por parte do filho mais novo do presidente.

As suspeitas sobre Jair Renan Bolsonaro envolvem a utilização da empresa de eventos dele, a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia, para promover articulações entre a Gramazini Granitos e Mármores Thomazini, grupo empresarial que atua nos setores de mineração e construção, e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

O grupo empresarial que atua nos setores de mineração e construção e tem interesses junto ao governo federal presenteou Jair Renan e o empresário Allan Lucena, um dos parceiros comerciais do filho do presidente, com um carro elétrico avaliado em R$ 90 mil.

Um mês após a doação, em outubro do ano passado, representantes da Gramazini Granitos e Mármores Thomazini, uma das empresas do conglomerado, se reuniu com Marinho. Segundo o ministério, o encontro, que também teve a participação de Jair Renan, foi marcado a pedido de um assessor especial da Presidência.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários