Mãe e padrasto do menino são acusados de homicídio triplamente qualificado
Reprodução/ Tv Record
Mãe e padrasto do menino são acusados de homicídio triplamente qualificado

Na próxima semana, na terça (14) e quarta-feiras (14), será realizada a continuação da audiência de instrução e julgamento do processo em que a professora Monique Medeiros da Costa e Silva e o médico e ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho , são acusados de torturas e do homicídio qualificado de Henry Borel Medeiros. Devem prestar depoimento duas testemunhas de acusação, que não foram ouvidas na oitiva do dia 6 de outubro, e as de defesa.

Tribunal: Juíza pede reforço de segurança em audiência com testemunhas de defesa

A juíza Elizabeth Machado Louro, do II Tribunal do Júri, deferiu que 28 testemunhas fossem arroladas pelos advogados para a audiência. Entre os nomes selecionados por Braz Sant’Anna, que defende Jairinho, estão Cristiane Izidoro, assessora do ex-parlamentar, e Thiago Kwiatkowski Ribeiro, conhecido como Thiago K Ribeiro, que foi vereador com ele na Câmara Municipal do Rio por três mandatos e tomou posse como conselheiro do Tribunal de Contas do Município esse ano. Já Thiago Minagé e Hugo Novais, que representam Monique, optaram pela mãe, Rosângela Medeiros da Costa e Silva, e o irmão da professora, Bryan Medeiros da Costa e Silva, entre outros.

Monique e Jairinho estão presos desde 8 de abril deste ano. O médico e ex-vereador teve negado um pedido de habeas corpus negado pelos desembargadores da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio. Já a professora entrou com um pedido de relaxamento de prisão no Supremo Tribunal Federal.

Leia Também

Liberdade: Por unanimidade, desembargadores negam habeas corpus ao ex-vereador Jairinho

Primeira audiência : Testemunhas não localizadas poderão ser novamente chamadas para prestar depoimento

Os dois são acusados de torturas e do homicídio qualificado de Henry Borel Medeiros, filho de Monique e enteado de Jairinho. O menino de 4 anos morreu na madrugada do dia 8 de março em condomínio na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, onde morava com o casal. A causa da morte, segundo laudo do Instituto Médico- Legal (IML), foi "hemorragia interna causada pelo rompimento do fígado".

Julgamento: Advogados de Jairinho e Monique selecionam 46 testemunhas de defesa para audiência

O laudo constatou muitas lesões espalhadas pelo corpo do menino, infiltrações hemorrágicas nas partes frontal, lateral e posterior da cabeça, contusões no rim, no pulmão e no fígado. Monique chegou a afirmar acreditar que ele tinha caído da cama e batido a cabeça.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários