Caso Henry: empregada revela 'cara de apavorado' do menino após agressões
Reprodução: iG Minas Gerais
Caso Henry: empregada revela 'cara de apavorado' do menino após agressões

No segundo depoimento prestado ao delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), nesta quarta-feira (14), a empregada doméstica Leila Rosângela de Souza Mattos contou estar no apartamento do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o  Dr. Jairinho (sem partido), e de Monique Medeiros da Costa e Silva, em 12 de fevereiro, data em que a babá Thayna de Oliveira Ferreira narrou em tempo real as agressões do parlamentar ao filho da professora, Henry Borel Medeiros, de 4 anos. Segundo ela, o menino saiu do quarto com "cara de apavorado ".

Rosângela relatou que Jairinho chegou na residência por volta de 15h15. Henry, que, segundo ela, estava no sofá , saiu correndo, pulou no colo do padrasto e o abraçou . O comportamento do menino teria gerado estranheza a ela e a babá, que, de acordo com a empregada, chegou a ligar para Monique para contar sobre o episódio. A funcionária disse que o vereador então chamou o enteado para lhe mostrar no quarto algo que ele comprara para viajar.

A empregada contou ainda que, ao ir ao closet guardar roupas, notou que a porta do cômodo onde os dois ficaram por cerca de dez minutos fora trancada . Ela confirmou que Thayna demonstrou preocupação com esse fato, tendo dito que Monique "não queria que eles ficassem sozinhos no quarto". Assim como a babá, Rosângela disse que, ao voltar para a sala, Henry "correu imediatamente " para o colo dela, dizendo que não queria mais "ficar sozinho ".

A funcionária negou ter visto o menino relatar à babá que levou " bandas " e " chutes " do vereador. Ela contou que, embora Thayna tenha perguntado à criança sobre o que acontecera no quarto, Henry nada teria respondido - ao menos que Rosângela tenha ouvido. Ela relatou que o menino disse estar mancando por ter " caído da cama " e pediu para não ter os cabelos penteados, pois sua " cabeça doía ".

Você viu?

'Ainda não falou por ela'

Durante o depoimento , Rosângela contou ter ligado duas vezes para Thayna para ter notícias do menino. Ela admitiu que "estranhou esses acontecimentos", mas afirmou nunca ter comentado mais sobre o assunto depois daquele momento. A empregada doméstica relatou ainda que, dias depois, ao ligar para Monique para saber quando o casal voltaria de Mangaratiba, na Costa Verde fluminense, onde passava o carnaval , ela foi informada pela patroa que Henry havia tido "um surto com Jairinho" e que "foi a maior discussão", tendo ela conseguido acalmá-lo em seguida.


Sobre não ter abordado esses assuntos no primeiro depoimento prestado, Rosângela disse não ter se recordado de "tais acontecimentos", mas negou ter problemas de memória.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários