pm
Reprodução/Facebook
Policiais Rio


A mãe de Yago Mesquita Delfino, de 25 anos, acusa policiais militares de terem executado o jovem durante uma ação ocorrida na noite da última segunda-feira, em Anchieta, na Zona Norte do Rio. Segundo a mulher, que terá o nome preservado, Yago foi atingido por um disparo durante um tiroteio e tentava se abrigar perto de uma lixeira quando um PM se aproximou e perguntou onde estava a arma.


"Meu filho negou que estivesse armado. O policial atirou mais duas vezes. Sei que uma das balas atingiu o ombro dele de cima para baixo. É uma revolta muito grande", contou ela.

De acordo com a mãe, havia saído para comprar cigarro, por volta das 23h. O único lugar aberto ficava uma rua onde funciona uma boca de fumo, informou a mulher:

"A polícia chegou e fez um cerco. Meu filho, além de baleado, também foi agredido".

A mãe disse que ao chegar à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ricardo de Albuquerque, para onde Yago foi levado, soube que ele havia dado entrada na emergência como um "homem não identificado". Ela disse que o rapaz estava sem documentos, relógio, celular e roupas.

"Deixaram ele como um João Ninguém", lamentou.

Na 27ª DP (Vicente de Carvalho), a mulher encontrou a identidade do filho, que teria sido levada por um PM envolvido na ação:

"Como ele deu entrada como um homem não identificado no hospital se estavam com a identidade dele? Não tem explicação para isso", defendeu.

As roupas de Yago foram localizadas mas, de acordo com a mãe, o relógio e o celular continuam desaparecidos.

"Nós fizemos um rastreamento do GPS do telefone quando fomos no local onde tudo aconteceu. O celular estava lá. Mas não conseguimos descobrir com quem", - afirmou a mulher.

Ela fez um desabafo sobre o que aconteceu e disse que o PM que atirou em seu filho deve "botar a mão na consciência":

"Ele tem que tratar a farda como uma coisa decente".

O enterro de Yago - que, segundo a mãe, trabalhou com carteira assinada até novembro do ano passado e atualmente procurava empregos e fazia obras - será nesta quarta-feira, às 15h, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque. O rapaz era casado e não tinha filhos.

A Polícia Militar foi procurada, mas ainda não enviou posicionamento sobre a ação em que Yago foi morto. A assessoria de imprensa da Polícia Civil também foi procurada para comentar sobre o andamento da investigação da 27ª DP (Vicente de Carvalho) a respeito do que ocorreu, mas também ainda não se pronunciou.

    Veja Também

      Mostrar mais