Wilson Witzel
undefined
Investigação diz que Witzel é líder de esquema de corrupção

Segundo dados dos agentes que  investigam o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, na operação Placebo, o governador está no topo de uma orgazinação que fraudou o orçamento de até 'caixas d' água' de hospitais de campanha no Rio.

Leia mais:  Polícia Federal vai à casa de Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro

As informações,  enviadas pelo Ministério Público Federal no Rio ao STJ, dizem que Witzel comandava as ações para prejudicar a gestão das unidades de saúde.

O governador teria a ajuda de sua esposa, Helena Wiitzel, e seu ex-secretário de estado da saúde, Edmar Santos.

Segundo o inquérito, houve irregularidades na condução de contratação da organização social 'Iabas' para administrar os hospitais de campanha. Vários itens referentes aos cuidados da Covid-19 tiveram os valores superfaturados.

Segundo trecho da decisão do ministro Superior Tribunal de Justiça, Benedito Gonçalves, que autorizou a operação. “Afirmam a existência de prova robusta de fraude nos processos que levaram à contratação da Iabas para gerir os hospitais de campanha no Rio de Janeiro, tudo com a anuência e comando da cúpula do Executivo".

"Para tanto, informam que foram apresentados orçamentos fraudados para montagem e desmontagem de tendas, instalação de caixas d’água, geradores de energia e pisos para a formação da estrutura dos hospitais de campanha, tudo com o conhecimento do secretário de Saúde (Edmar Santos).

Provas policiais dão conta que os demais orçamentos foram apresentados ao estado para escamotear a fraude na contratação, aparentando uma legalidade inexistente”, complementa.

No despacho, Benedito Gonçalves reiterou que o compartilhamento de provas da Justiça Federal do Rio mostrou uma  relação muito próxima entre a primeira dama do rio e as empresas beneficiadas com os contratos fraudulentos.

    Veja Também

      Mostrar mais