covid-19 arrow-options
shutterstock
Covid-19 preocupa profissionais do sistema prisional

BRASÍLIA – O ministro da Justiça, Sergio Moro , reconheceu na tarde desta segunda-feira que houve uma piora na disseminação do novo coronavírus nos presídios com a confirmação de casos de presos infectados no Pará, Ceará e Distrito Federal, mas frisou que a situação está "sob controle".

– Claro que essa situação é pior do que a situação anterior, onde nós não tínhamos registro de nenhum infectado, mas a situação se encontra ainda absolutamente sob controle, tomando os cuidados necessários para que, se forem identificados presos com sintomas ou positivados à infecção, que eles sejam devidamente isolados.

Leia mais: Estado do Rio de Janeiro prorroga quarentena contra pandemia até 30 de abril

Ele disse que o principal plano para evitar a disseminação é o "isolamento da população carcerária". No caso do Distrito Federal, ressalvou que "infelizmente", pela identificação tardia da doença, o preso infectado pelo vírus teve contato com 20 outros presos, e consequentemente estes também foram contaminados.

Após dizer que a indicação do governo é de que os testes enviados aos estados sejam destinados apenas aos profissionais de segurança , Moro disse que "nada impede" a testagem dos presos posteriormente, havendo disponibilidade de testes.

– Tendo maior disponibilidade desses testes, poderemos realizar testagem da população carcerária. Mas nada impede que os governos dos estados possam realizar testagem da população prisional – afirmou Moro.

Leia mais: Pessoas com epilepsia sofrem com efeitos do estresse no distanciamento social

Além do isolamento de presos infectados pelo vírus, segundo Moro, os governos estudam também uma forma de isolar os detentos recém-chegados nos presídios dos que já estão nas unidades, uma quarentena dividindo presos novos e antigos.

Ele citou também a suspensão das visitas como uma medida para evitar o contágio nas unidades prisionais, assim como a recomendação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) de soltar parte da população prisional mais vulnerável.

– Acho que é uma recomendação válida em vários aspectos. Em nenhum momento das minhas manifestações eu critiquei a recomendação, apenas a ponderação de que ela não deve ser utilizada para colocar presos perigosos em liberdade.

    Veja Também

      Mostrar mais