Dias diz à PF que tem áudio com cúpula do Esporte e envolve ONG's

iG antecipa depoimento que o PF do PM João Dias prestou à PF contra o ministro Orlando Silva

Severino Motta, iG Brasília |

O PM João Dias, pivô do escândalo no Ministério do Esporte, disse em seu depoimento à Polícia Federal, ao qual o iG teve acesso, que possui duas gravações que comprovariam o esquema de desvios de recursos do Segundo Tempo.

Leia também : Orlando Silva: 'Dilma reafirmou a confiança no meu trabalho'

Segundo ele, numa das conversas, de abril de 2008, há a presença do então secretário-executivo da pasta, Wadson Ribeiro, e de dois ex-secretários nacionais de esporte educacional, Fábio Hansen e Julio Filgueiras. No outro áudio haveria implicações ao ex-jogador de futebol Toni Matos, que é dirigente de uma ONG que também recebeu dinheiro do Segundo Tempo. Ele prometeu entregar as fitas à Polícia na segunda-feira.

Veja mais : Pelé recusa convite para o Esporte

No depoimento o soldado diz que, na conversa com a cúpula do ministério, exigiu dos presentes a regularização dos débitos de sua ONG, sob ameaça de tornar público o esquema de desvio de recursos.

No caso da gravação com Toni Matos, o PM alega que recebeu a solidariedade do ongueiro, que também faria parte do esquema. Matos teria dito que não é justo João ser o único imputado no caso dos desvios do Segundo Tempo. Na conversa, o soldado ainda diz que o ministro Orlando Silva estaria tentando sujar seu nome e que ele havia se recusado a fazer “parte da máfia”.

No depoimento o policial também voltou a dizer que o servidor da liderança do PC do B na Câmara, Fredo Ebling, era responsável pela coleta dos recursos desviados, que depois seriam supostamente entregues ao ministro Orlando Silva para enriquecimento dos integrantes do esquema e do partido.

Fredo, segundo Dias, teria numa ocasião coletado R$ 300 mil com Toni Matos, da ONG Geraldo de Matos, R$ 300 mil com Geraldo Nascimento e R$ 200 mil com Michael Vieira, da ONG NOvo Horizonte. Vale destacar que os dois últimos fizeram delação premiada na Justiça.

O soldado ainda diz que teve diversos encontros com Orlando Silva e que cerca de R$ 1 milhão “de saldo” dos recursos desviados foram usados numa campanha eleitoral de 2006, que ele, “num momento oportuno”, vai detalhar à Polícia qual foi o candidato e a planilha de gastos.

Outro lado

O iG entrou em contato com o ministério do Esporte, com Fredo Ebling e com Toni Matos, que não se manifestaram até o fechamento da matéria. Assim que enviarem suas declarações, elas serão publicadas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG