"Já estive no Rock in Rio. Muitos dos metaleiros vão ali drogados, maconhados", diz Magno Bacelar, aliado de Sarney no Maranhão

O deputado Magno Bacelar:
Divulgação
O deputado Magno Bacelar: "Eu já estive no Rock in Rio. Muitos dos metaleiros vão ali drogados, maconhados"
O deputado estadual Magno Bacelar (PV) vai propor uma moção de repúdio na Assembleia Legislativa do Maranhão contra o vocalista do Capital Inicial, Dinho Ouro Preto, por causa das críticas feitas pelo cantor ao presidente do Senado, José Sarney , durante o Rock in Rio no último sábado. Bacelar é um dos aliados mais próximos da família no Estado. Um dos principais expoentes da sua sigla no Estado é o deputado federal Zequinha Sarney.

Leia também: José Sarney é alvo de críticas no Rock in Rio

Dinho dedicou a música “Que país é esse” a José Sarney e disse: “Essa aqui é para as grandes oligarquias que parecem ainda governar, que conseguem manter os jornais censurados, coisas inacreditáveis (…) Essa aqui é especialmente para o José Sarney”. O público respondeu à declaração do vocalista do Capital Inicial gritando: “Ei Sarney, vai tomar no c…!!!”.

Em um pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão na tarde de segunda-feira, Bacelar classificou o protesto do vocalista do Capital Inicial como uma “falta de respeito e de educação”. “Este cidadão, alterado sabe-se lá por quais motivos, disparou vários palavrões não apenas contra o presidente Sarney, mas também contra o público. Foi uma total falta de respeito, de educação. Diante deste fato, irei, sim, apresentar uma moção de repúdio contra este cantor”, disse o deputado.

Este cidadão, alterado sabe-se lá por quais motivos, disparou vários palavrões não apenas contra o presidente Sarney, mas também contra o público. Foi uma total falta de respeito, de educação”

 Além de defender o presidente do Senado, Bacelar classificou parte do público do Rock in Rio no sábado como “drogado e maconhado”. “Eu já estive no Rock in Rio. É um ambiente onde tem criança, tem jovem, tem tudo. E muitos dos metaleiros vão ali drogados, maconhados e vão, de certa forma, uma pequena minoria da população, 100 mil habitantes, para se utilizar da boa vontade das pessoas ali presentes”, afirmou na Assembleia.

Bacelar é o mesmo deputado que defendeu, no mês passado, o uso de um helicóptero da Polícia Militar pelo presidente do Senado. Na ocasião, Bacelar disse. “Queria que o presidente [do Senado] fosse andar em jumento?”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.