Tamanho do texto

Cogitado como vice, Eduardo de Mello, presidente do Flamengo e filiado à Rede, disse estar à disposição de Marina: “vou fazer o que ela mandar”

Eduardo Bandeira de Mello e Marina Silva podem compor a chapa presidencial da Rede Sustentabilidade nas eleições de 2018
Divulgação
Eduardo Bandeira de Mello e Marina Silva podem compor a chapa presidencial da Rede Sustentabilidade nas eleições de 2018

Cogitado entre integrantes da Rede Sustentabilidade como possível candidato à vice-presidência na chapa de Marina Silva, o presidente do Flamengo e filiado ao partido, Eduardo Bandeira de Mello se colocou à disposição da presidenciável para o que ela decidir.

Leia também: Com sessões esvaziadas, Senado e Câmara entram no clima da Copa do Mundo

Em entrevista ao jornal O Globo , o presidente do Flamengo comentou uma fala do senador Randolfe Rodrigues, que o apontou como uma boa opção para compor a presidência com Marina .

“Agradeço ao Randolfe, mas vou ajudar como a Marina preferir. Não acho o mais provável (ser vice), porque a vaga pode ficar para um partido aliado, mas estou à disposição para qualquer missão, até mesmo para não sair candidato e só ajudar na campanha”, disse.

Marina Silva já declarou que não pretende formar alianças com outros partidos que não se pautem em consensos “programáticos” – e, em razão disto, sua candidatura deverá contar com baixo acesso ao fundo partidário e com poucos segundos de exposição na televisão. Também por isso, a Rede ainda não conseguiu atrair um nome de peso para a vice-presidência.

Mello é considerado um nome de peso na Rede pela posição que ocupa no futebol brasileiro e por seus conhecimentos técnicos: ele trabalhou na área de projetos de sustentabilidade ambiental no BNDES, quando conheceu Marina.

Leia também: PGR e PF querem ouvir Marcelo Odebrecht em inquérito que investiga Temer

Antes de ser apontado como possível vice, o partido pensou em lançar Mello à Câmara dos deputados. Muito conhecido no Rio de Janeiro, a Rede considerava que ele poderia “puxar votos”, elegendo consigo outros deputados.

“Tenho preocupação com a questão social, com questões ligadas a direitos humanos e ao meio ambiente. E não nego a força das leis do mercado. Não sou favorável a Estado mínimo absoluto, mas a ação do Estado não necessariamente se dá através da posse das ações ordinárias. A iniciativa privada é fundamental, e o Estado estabelece as regras do jogo” dissertou Mello, quando perguntado pelo Globo sobre suas posições políticas.

O presidente do Flamengo se alinha à Marina , também, na negação que faz do quadro “esquerda versus direita” que toma as discussões políticas no país. “Votei no Fernando Henrique nas duas vezes. Votei no Lula no 2º turno em 1989, e outras vezes no PT, porque desde sempre votei no Gabeira. E votei na Marina nas últimas”, revelou.

Leia também: Ministro sugere que intervenção no Rio se estenda por mais um ano

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.