Tamanho do texto

Coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Boulos deve anunciar até março se será candidato nas eleições de outubro

Integrante da coordenação nacional do MTST, Guilherme Boulos pode ser candidato ao Planalto pelo PSOL
Reprodução/Facebook/Guilherme Boulos
Integrante da coordenação nacional do MTST, Guilherme Boulos pode ser candidato ao Planalto pelo PSOL

Guilherme Boulos, coordenador do MTST, já admite que há chances de ele sair candidato à presidência da República pelo PSOL. Em entrevista publicada no jornal Folha de S.Paulo nesta quarta-feira (7), ele disse que “se esse entendimento confluir para uma candidatura, eu vou assumir”.

Leia também: “Seria melhor para o país” se Lula participasse de eleições, diz Temer

Boulos condicionou sua candidatura à aprovação interna do MTST. “Se entenderem que isso contribui para o movimento e para o projeto em que acreditamos, seguramente [serei candidato]”, afirmou.

Ele, que ainda não é oficialmente vinculado a nenhum partido, diz que as conversas com o PSOL estão evoluindo. “A posição que o PSOL tomou em defesa da democracia e contra a perseguição judicial a Lula ajudou no debate”, conta.

Embora apoie o direito de Lula de ter seu nome nas urnas em 2018, contudo, o MTST não tem participado dos atos de campanha do ex-presidente. O coordenador do movimento ressaltou que participa dos atos contra o que considera de perseguição contra o petista, mas afirma que “ diversidade da esquerda, e opiniões e propostas, não pode ser anulada”.

Se confirmada sua candidatura, o coordenador do MTST será mais uma das opções da esquerda nas eleições de outubro. Devem se candidatar também Ciro Gomes (PDT), Manuela D´Ávila (PCdoB), Marina Silva (Rede) e, se permitido pela justiça, Lula (PT).

Indefinição

Se à esquerda há indefinição sobre quem sairá candidato ao Planalto, uma vez que a justiça pode dificultar os planos do PT e de Lula em voltar ao poder, a direita passa por dilema semelhante, ainda que por motivos distintos.

Leia também: TRF4 publica decisão de julgamento; Lula tem até 12 dias para recorrer

As tentativas de emplacar o prefeito de São Paulo João Dória (PSDB) como candidato presidencial, até o momento, foram mal sucedidas. O nome de Luciano Huck, ainda cogitado, enfrenta resistência do próprio apresentador, que não tem experiência na política, e de sua família. Henrique Meirelles (PSD), ministro da Fazenda, padece de desconhecimento por parte do eleitorado, e Geraldo Alckmin (PSDB), talvez o nome mais óbvio entre os citados, até agora não decolou nas pesquisas.

Tanta indefinição fez, inclusive, com que o nome de Rodrigo Maia e do próprio presidente Michel Temer (MDB) sejam ventilado como candidatos. No caso de Temer, contudo, sua saúde debilitada, os casos de corrupção em que é citado e sua enorme impopularidade pesam contra ele.

Leia também: Em cenário sem Lula, Bolsonaro lidera corrida presidencial, diz Datafolha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.