Planalto nega que Temer precise fazer cateterismo: "Está em bom estado de saúde"

Informação de que o presidente de 77 anos de idade tem obstrução em artéria coronária foi divulgada ontem pela TV Globo; ao iG, Presidência diz que Temer passou por "bateria de exames", mas não confirma diagnóstico
Foto: Beto Barata/PR - 21.8.2017
Presidente Michel Temer teria adiado cateterismo para após votação de denúncia da PGR na Câmara dos Deputados

O Palácio do Planalto negou nesta quarta-feira (11) que o presidente Michel Temer precisará ser submetido a um cateterismo por causa de obstrução parcial de uma artéria coronária. O diagnóstico de Temer, que tem 77 anos de idade e é o presidente mais velho da história do Brasil, foi divulgado na noite dessa terça-feira (10) pela TV Globo .

Leia também: Relator ataca PGR e defende arquivamento da segunda denúncia contra Temer

Ao iG , a assessoria da Presidência da República afirmou que Michel Temer "está em bom estado de saúde" e que não há nenhuma intervenção cirúrgica agendada. A equipe do presidente confirmou que Temer realizou uma bateria de exames "há cerca de 15 dias", mas não confirmou o diagnóstico noticiado pela imprensa. Por fim, o Planalto garantiu que o presidente está trabalhando normalmente e "sem restrições".

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo , o peemedebista deverá passar por tratamento medicamentoso e dieta controlada para tentar dispensar a realização do cateterismo.

O procedimento médico consiste na introdução de um catéter, que é um tubo flexível extremamente fino, para desobstruir uma artéria que esteja total ou parcialmente entupida. 

De acordo com a TV Globo , o presidente teria cogitado fazer o procedimento na última sexta-feira (6), mas optou por adiar a cirurgia para depois da votação da denúncia contra ele na Câmara dos Deputados.

Leia também: Lava Jato faz novo leilão com imóveis, carros e relógios de operadores de Cabral

Discussão de denúncia na CCJ da Câmara

Temer é acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de cometer os crimes de obstrução à Justiça e organização criminosa. Para que o presidente se torne réu no Supremo Tribunal Federal (STF), é necessário a autorização da Câmara dos Deputados, que está analisando a denúncia oferecida por Rodrigo Janot.

Nessa terça-feira (10), o relator do processo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), apresentou parecer defendendo o arquivamento da denúncia.

A discussão do parecer deve ter início somente na próxima terça-feira (17) e, a partir de então, a comissão terá prazo de cinco sessões plenárias para votar o texto de Andrada. Independentemente do resultado da votação do parecer na CCJ, será do plenário da Câmara a palavra final sobre o prosseguimento ou não do processo. 

Para que a Casa autorize o STF a iniciar a investigação contra Temer, são necessários pelo menos 342 votos, o que corresponde a dois terços dos 513 deputados. Se esse número não for atingido, a denúncia é suspensa até o término do mandato presidencial.

Leia também: STF decide em julgamento se pode afastar parlamentares sem o aval do Congresso

A denúncia

Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) são acusados de atuar em organização criminosa junto a outros integrantes do chamado "quadrilhão do PMDB na Câmara". Também foram denunciados por esse crime os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures.

Nessa segunda denúncia contra Michel Temer, o presidente também é acusado de praticar crime de tentativa de obstrução à Justiça ao lado do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F. A acusação se refere ao episódio de suposta tentativa de compra do silêncio do lobista Lúcio Funaro.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-10-11/michel-temer.html