Tamanho do texto

De acordo com o novo ministro da Justiça, empossado pelo presidente há dois dias, Michel "pode nunca ter sabido" que doações recebidas eram ilegais

Para o recém-empossado ministro da Justiça, o fato de Michel Temer ter pedido dinheiro a Marcelo Odebrecht não o incrimna
Reprodução/Twitter
Para o recém-empossado ministro da Justiça, o fato de Michel Temer ter pedido dinheiro a Marcelo Odebrecht não o incrimna

O novo ministro da Justiça, Osmar Serraglio , que assumiu o cargo na última terça-feira (7),  afirmou que o presidente da República Michel Temer (PMDB) só pode ser atingido pelas investigações se houver prova objetiva de "que ele sabia que estavam recebendo dinheiro indevido".

A declaração foi dada em meio a outras também polêmicas em uma entrevista ao jornal Folha de S.Paulo , publicada nesta quinta-feira (9). Na entrevista, Serraglio disse que o Ministério Público deve ter elementos mais fortes para fazer alguma denúncia contra Michel Temer .

Para o ministro, a corrupção está generalizada no País. E isso não é só entre os partidos políticos. "'Se eu puder sonegar, eu sonego'. 'Se eu puder não pagar multa, eu não pago'. É assim o pensamento. Não sei como vai corrigir isso. É uma moral nacional", afirmou.

Sobre a superlotação dos presídios, o ministro da Justiça afirmou que pensa em só "levar para a prisão quem é de fato perigoso para a sociedade".

"Um exemplo que eu tenho dado é do usuário e do traficante. Um grupo de estudantes viciados, usuários. Na hora que te pegarem, você vai preso como um traficante. Outros são aqueles que você olha nos olhos e quer passar longe. É um potencial assaltante, criminoso. A gente não quer isso nas ruas", exemplificou.

Leia também: Novo ministro da Justiça diz que não fará alteração no comando da PF

"Tem Estado no Brasil que 80% dos presos são provisórios. Muitos desses são inocentados no final. Acho que no primeiro momento a gente só deveria levar para a prisão quem é de fato perigoso para a sociedade", disse Serraglio, que prometeu tentar mudar tal procedimento.

"Ele pode nunca ter sabido"

Embora tenha criticado a superlotação nos presídios, Serraglio defendeu que os corruptos que causam "dano social" e que se "apoderam do Estado" são casos graves e demandam , sim, punição.

Porém, ele afirmou que, mesmo que citado em delações, o presidente da República deve terminar o seu mandato e não será investigado até que se prove que ele possui "responsabilidade subjetiva sobre os casos de corrupção.

"Nós temos no direito a responsabilidade objetiva e a subjetiva. O que é subjetiva? Eu, Osmar Serraglio, saber o que está sendo feito. Para o Michel ser envolvido, precisa que se demonstre a responsabilidade subjetiva", explica. "Ele pode nunca ter sabido. Como eu tenho observado, que ele nunca discutiu valores. Vai ter que aparecer que ele sabia que estavam recebendo dinheiro indevido".

Leia também: Novo ministro da Justiça, Osmar Serraglio garante a verba da Lava-Jato

Para Serraglio, o fato de Michel Temer realmente ter pedido dinheiro a Marcelo Odebrecht não o incrimna, afinal "partidos pedem dinheiro". O importante, segundo ele, é provar que o desvio de dinheiro era sabido. "O dinheiro não vem carimbado assim ó, esse é de corrupção, não encosta que esse é de corrupção", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.