Marina libera consulta por candidatura e abre guerra interna pela vice

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Lista inclui nomes como Luiza Erundina, Júlio Delgado, Beto Albuquerque, Maurício Rands e Fernando Bezerra

A ex-senadora Marina Silva autorizou a cúpula do PSB a iniciar uma consulta telefônica a diretórios e instâncias regionais, para medir o apoio a sua candidatura à Presidência. A consulta está sendo feita inclusive com aval do presidente nacional do partido, Roberto Amaral, que era tido como um dos mais resistentes à indicação dela para a cabeça da chapa que originalmente seria liderada por Eduardo Campos. Amaral, segundo interlocutores, já se mostrou aberto à ideia, embora as condições de uma candidatura ainda estejam sendo negociadas.

A deputada federal Luiza Erundina é uma  das lideranças políticas do PSB que podem ocupar a posição de vice numa chapa com Marina . Foto: Câmara dos DeputadosEx-petista e hoje no PSB,  Maurício Rands é outro cotado para ser vice de Marina . Foto: Agência BrasilEx-ministro da Integração no governo Dilma Rousseff, Fernando Bezerra também está na lista . Foto: Agência BrasilO deputado Júlio Delgado é outra possibilidade de vice. Foto: Agência CâmaraCandidato PSB ao Senado no Rio Grande do Sul, o deputado Beto Albuquerque corre por fora na indicação do vice de Marina . Foto: DIVULGAção/PSBRenato Campos, viúva de Eduardo, chegou a ser cotada para a vaga de vice, mas é considerada uma hipótese remota . Foto: Reprodução/Instagram Eduardo Campos

Com a autorização, abriu-se imediatamente no partido uma guerra interna sobre a indicação do posto de vice. As consultas telefônicas aos diretórios também servirão para medir a aceitação dos principais nomes levantados.

Pelo menos três grupos se lançaram em campanha para levar a indicação na tarde desta sexta-feira (15). A lista de cotados inclui até mesmo a viúva de Eduardo Campos, Renata, e o irmão dele, Antonio Campos. Os dois chegaram a ter seus nomes sugeridos em reuniões realizadas na manhã desta sexta. A proposta partiu do PSB pernambucano, que tenta ficar com a vaga que hoje é de Marina Silva. Internamente, entretanto, os nomes pernambucanos tidos como mais “políticos” seriam o ex-deputado Maurício Rands, atualmente responsável pelo programa de governo da campanha presidencial, e o ex-ministro Fernando Bezerra.

Leia também: Escolha do substituto de Campos será segunda no Recife, diz deputado 

Alice Vergueiro/Futura Press
Marina Silva autorizou a cúpula do PSB a iniciar uma consulta entre partidários sobre o vice da chapa


De acordo com fontes da cúpula socialista, Amaral disse que aceitaria a indicação de nomes como o da deputada Luiza Erundina (PSB-SP) para a vaga. Ela teria a vantagem de ser de São Paulo, maior colégio eleitoral do país, e de não ser candidata a nenhum cargo majoritário. Ela tem também a simpatia de Marina, que chegou a defender sua candidatura ao governo de São Paulo. Amaral também mantém boas relações com o PT, antigo partido da deputada, que atualmente é candidata à reeleição na Câmara.

Outro grupo envolvido nas conversas é o núcleo do PSB mais próximo a Eduardo Campos, que reunia todos os seus principais articuladores políticos. Por ser candidato a deputado federal e não a uma vaga majoritária, o nome de Júlio Delgado (MG) é dos mais citados. O parlamentar por pouco não foi lançado candidato ao governo de Minas Gerais e poderia agregar votos no Sudeste.

João Henrique, 20 anos: o sucessor político, e de sangue, de Eduardo Campos

No mesmo grupo, entretanto, surge ainda o nome do deputado Beto Albuquerque, que foi escolhido por Campos como nome para a disputa do Senado no Rio Grande do Sul. Ele sempre manteve bom trânsito na cúpula da legenda e chegou a ser cotado como coordenador-geral da campanha de Eduardo Campos. Os críticos, entretanto, alegam que o estado de origem de Albuquerque traria poucos dividendos eleitorais para a chapa.

Leia tudo sobre: Eleições 2014morte de camposMarina SilvaPSB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas