Filho de assessor de FHC é convocado para explicar boatos contra Lulinha

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo as investigações policiais, Daniel Graziano, filho de Xico Graziano, seria um dos divulgadores de informações falsas na internet. É a quarta vez que ele é intimado

Brasil Econômico

O coordenador do departamento Administrativo, Financeiro e de Recursos Humanos do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC), Daniel Graziano, foi convocado a depor no próximo dia 29, em uma delegacia de São Paulo, em um inquérito instaurado sobre informações falsas publicadas na Internet contra Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula. Segundo as investigações policiais, Daniel seria um dos divulgadores do material. É a quarta vez que ele é intimado. Nas três vezes anteriores, não compareceu. O investigado é filho de Xico Graziano, assessor da Presidência do iFHC, instituto criado pelo próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quando deixou o Palácio do Planalto. Homem de confiança de FHC, Xico comanda a área de Internet da pré-campanha do presidenciável Aécio Neves (PSDB).

Caso não compareça de novo, o delegado responsável pelo caso pode decidir pela condução coercitiva de Daniel Graziano. Um advogado do jovem compareceu à delegacia para se informar sobre o caso e se comprometeu a levá-lo para ser ouvido. Procurados no iFHC , pai e filho não foram localizados para comentar o assunto. Além de Daniel, outros cinco suspeitos de divulgar na Internet as acusações falsas contra Lulinha já foram identificados. Dois depuseram e confirmaram ter enviado as mensagens. Outros três – entre eles, Paulo Cesar Andrade Prado, autor de um blog dedicado principalmente aos bastidores do Corinthians – não foram formalmente encontrados pelos policiais para dar suas versões sobre o que teriam publicado. Segundo informações dadas pela delegacia anteriormente, todos os demais já teriam se apresentado. No entanto, houve uma dificuldade para citá-los.

“Dono” da Esalq

Os boatos contra Lulinha o acusam de ser sócio da Friboi, dono de um jato executivo da Gulfstream e de uma grande propriedade rural. A foto utilizada na fraude é, na verdade, da sede da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), faculdade localizada em Piracicaba e ligada à Universidade de São Paulo.

Duelo de verdades

A Comissão Municipal da Verdade de São Paulo quer debater a morte do ex-presidente Juscelino Kubitschek com a Comissão Nacional da Verdade. O relatório da primeira aponta para um atentado. O da segunda confirma a tese de acidente automobilístico, divulgada em 1976, durante a ditadura.

Na base da enquete

O deputado Romário (PSB-RJ) anunciou ontem, via redes sociais, a decisão de sujeitar seus projetos ao voto popular pela internet. Uma enquete em seu site vai decidir se as propostas das quais é autor seguirão em tramitação. Promete retirar de pauta as que forem rejeitadas por pelo menos 51% dos votantes.

PP e PSDB próximos de aliança no RS

Apesar de nacionalmente fazer parte da base aliada do governo federal, o PP do Rio Grande do Sul deve anunciar no mês que vem o apoio ao presidenciável tucano Aécio Neves. O acerto regional inclui o apoio do PSDB à candidatura da senadora Ana Amélia (PP) ao governo gaúcho. Os dois partidos ainda esperam atrair no Estado, pelo menos, o Solidariedade e o DEM, ambos da oposição nacional, para decidir a composição completa da chapa.

Ideologia afastou os socialistas

Enfraquecido no Rio Grande do Sul depois do governo Yeda Crusius, o PSDB tinha dificuldades para dar um palanque ao senador Aécio Neves no Estado. Acabou beneficiado pela decisão do PSB de se afastar de Ana Amélia para se aliar ao PMDB. Pesou na decisão dos socialistas a resistência de sua base à coligação com o PP. O PSB vai apoiar as candidaturas de Ivo Sartori ao governo e do senador Pedro Simon à reeleição. Em troca, o PMDB local estará ao lado do presidenciável Eduardo Campos (PSB).

Josué Gomes, presidente da Conteminas, ao anunciar sua candidatura ao Senado pelo PMDB-MG com o apoio do PT: “O setor têxtil pede muita disputa, e com chinês, que não é fácil. Não tenho medo de disputa nem de trabalhar”

*Com Leonardo Fuhrmann

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas