Fiesp subornou general para trair Jango, diz coronel à Comissão da Verdade de SP

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Coronel reformado denunciou que o general Amaury Kruel, ex-ministro da Guerra do ex-presidente João Goulart, teria recebido U$ 1,2 milhão para apoiar golpe em 1964

O coronel do Exército reformado Erimá Pinheiro Moreira denunciou que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) teria subornado o então comandante do 2º Exército, general Amaury Kruel para que ele traísse o ex-presidente João Goulart e apoiasse o golpe militar. Em seu depoimento à Comissão Municipal da Verdade de São Paulo, nesta terça-feira (18), Moreira disse estar presente quando Kruel, ex-ministro da Guerra de Jango, recebeu em U$ 1,2 milhão (R$ 2,4 milhões, em valores atualizados) do então presidente da Fiesp Raphael de Souza Noschese, no dia 31 de março de 1964.

Investigação: Hipótese de assassinato de JK reforça investigações sobre Jango e Lacerda

Moreira era major farmacêutico na época e servia no Hospital Geral Militar, e cedeu seu laboratório particular, na Aclimação, para uma reunião secreta de Kreul com Noschese. Até então, "Kruel dizia que morreria em defesa de Goulart", relata o coronel Moreira. “Ele foi subornado”. O coronel conta que Noschese chegou ao seu laboratório acompanhado de três homens, cada um com duas maletas. Temendo pela segurança do general, Moreira exigiu a abertura das malas, que estavam repletas de notas de dólares.

Comissão: 'Pedimos que Brasil declare que JK morreu de morte matada'

Depois de se reunir com Noschese, Kruel ordenou que as maletas fossem colocadas no porta-malas de seu carro, o que foi feito com a supervisão do próprio coronel Moreira, e deixou o local com cinco militares batedores que conduziam motocicletas. Horas depois, Kruel anunciou o apoio ao movimento que depôs Goulart.

Moreira diz que acreditava que o dinheiro seria usado para organizar a resistência ao golpe militar, e questionou em reunião com oficiais do Exército, se Kruel havia embolsado o dinheiro.
Moreira relata que foi colocado na reserva após questionar o episódio e passou a ser vigiado por homens do Dops e do 2º Exército. O coronel também declarou à Comissão da Verdade, comandada pelo vereador Natalini (PV), ter recebido a informação de que Kruel usou o dinheiro do suborno para comprar duas fazendas na Bahia.

Leia tudo sobre: Comissão da VerdadeJango

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas