Gilmar Mendes pede investigação sobre as doações para pagar multas do mensalão

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Genoino e Delúbio fizeram campanhas na internet e conseguiram arrecadar até mais que o valor das multas

Agência Brasil

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu hoje (4) a investigação, pelo Ministério Público, da origem do dinheiro doado para o pagamento de multas impostas a alguns dos condenados do mensalão.

Para pagar as multas, o ex-deputado federal José Genoino (SP) e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares fizeram campanhas na internet e criaram sites próprios para receber doações de amigos e apoiadores do partido para conseguir arrecadar os valores.

Pressionado por mandado de prisão, João Paulo Cunha já cogita renúncia

Barbosa decreta prisão do deputado João Paulo Cunha

João Paulo Cunha tenta emplacar sucessor à Câmara

Genoino quitou a dívida de R$ 667,5 mil e Delúbio pagou R$ R$ 466,8 mil. Ambos arrecadaram mais que o valor que tinham de pagar. O excedente será repassado ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, cuja multa foi calculada em R$ 971 mil. O prazo ainda para o pagamento ainda será definido.

Gilmar Mendes considerou “muito esquisito” o fato de os condenados terem conseguido arrecadar rapidamente os valores. “Essa dinheirama, será que esse dinheiro que está voltando é de fato de militantes? Ou estão distribuindo dinheiro para fazer esse tipo de doação? Será que não há um processo de lavagem de dinheiro aqui? São coisas que nós precisamos examinar”, questionou o ministro.

Cunha almoça com apoiadores do PT acampados em frente ao STF

Para ele, o Ministério Público deve investigar também a origem dos recursos que foram doados. “Agora, vem essa massa de dinheiro. Será que vão também fazer uma arrecadação para devolver todo o dinheiro que foi desviado? Tudo estranho. Agora, é interessante que todos nós estamos noticiando isso como se fosse só um fato corriqueiro. Não, não é um fato corriqueiro, há algo de grave nisso. E precisa ser investigado", afirmou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas