Eduardo Campos e Aécio Neves podem dividir palanques em até 15 Estados

Por Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Divisão de palanques não é bem vista por integrantes da Rede Sustentabilidade e algumas lideranças do próprio PSB

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e o senador Aécio Neves (PSDB) podem dividir palanques em até 15 estados na campanha presidencial do ano que vem, segundo o presidente do PSB de São Paulo, Márcio França, um dos articuladores da campanha do pernambucano.

A divisão de palanques não é bem vista por integrantes da Rede Sustentabilidade e algumas lideranças do próprio PSB.

Conheça a nova home do Último Segundo

Sobre 2014: PSB e Rede admitem ser adversários em alguns Estados

Divulgação
França diz que Campos e Aécio já haviam dado 'ok lá atrás' para alianças nos Estados

França citou rapidamente, de cabeça, dez unidades da federação onde o PSB e PSDB devem caminhar juntos em 2014: São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Alagoas, Piaui, Amazonas, Tocantins, Pará e Pernambuco. "Tem mais", garantiu ele.

Em vários destes Estados como Pernambuco e Piaui, os tucanos apoiariam candidatos socialistas a governador. Na maioria, porém, as chapas seriam encabeçadas pelo PSDB.

O deputado Julio Delgado, presidente do PSB em Minas Gerais, levantou a possibilidade de tucanos e socialistas costurarem um pacote de palanques comuns. "Não adianta colocar isso só para Minas Gerais. Essa máxima se repete em vários Estados como Pernambuco, Paraná, São Paulo, Pará e outros. Podemos discutir uma série de palanques em conjunto para Eduardo e Aécio", afirmou.

Aldo Rebelo ao iG: ‘Não vemos com hostilidade candidatura de Campos’

Além das parcerias com o PSDB, o PSB deve estar ao lado do PT em pelo menos outros quatro Estados: Acre, Amapá, Espírito Santo e Sergipe. Na semana passada, o senador Lindberg Farias (PT-RJ), pré-candidato do PT ao governo do Rio de Janeiro, acenou com a possibilidade de abrigar Campos e Marina em seu palanque.

A adoção de palanques em comum, seja com Aécio seja com a petista Dilma Rousseff, contraria integrantes da rede Sustentabilidade e do próprio PSB. "É muito estranho. Não consigo entender. Isso deseduca e desinforma politicamente", disse a deputada Luiza Erundina (PSB-SP).

1º encontro programático: Marina e Campos tentam amenizar divergências

2014: Dilma e Campos podem dividir palanques estaduais

Para Pedro Ivo, organizador da Comissão Nacional Provisória da Rede e responsável por negociar com o PSB as alianças estaduais, a divisão de palanques deveria ser uma exceção e não a regra. "O melhor seria termos representações próprias do projeto nacional nos Estados. Pode haver exceção, mas não pode ser a regra geral", afirmou.

O deputado Walter Feldman, da Rede, levantou outro empecilho. Segundo ele, a adoção de palanques duplos pode prejudicar o discurso de aliança programática já que o programa do PSB/Rede vai contra as políticas adotadas por PT e PSDB. "Em princípio, dividir palanques tem uma condicionante insolúvel que é a questão programática", disse Feldman.

Márcio França lembrou que Campos e Aécio já haviam feito um pré-acordo para a divisão de palanques estaduais antes de Marina de filiar ao PSB. "Eles deram aquele 'ok' lá atrás e o pessoal correu para se arranjar nos Estados", disse o presidente do PSB paulista.

Questionado pelo iG, Campos evitou comentar o assunto. Segundo ele, a ideia é primeiro definir as linhas gerais do programa para só então partir para a estratégia eleitoral.

O vice-presidente do PSB, Roberto Amaral, um dos homens mais próximos do governador pernambucano, defendeu as alianças estaduais com partidos que também tenham candidatos a presidente. "Vamos fazer o que for preciso. Teremos candidatura própria onde for possível. Onde não for vamos fazer acordos e administrar palanques", disse Amaral.

Leia tudo sobre: eduardo camposaécio nevespsbpsdbredemarina silvaeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas