O deputado Lourival Mendes (PT do B-MA) acusa o Ministério Público de "mentir" ao levar para as manifestações um tema incompreensível com uma argumentação ‘fantasiosa’

Autor da Proposta de Emenda Constitucional que devolve às polícias exclusividade na investigação criminal, a chamada PEC 37, o deputado Lourival Mendes (PT do B-MA) admite que se a matéria for votada agora na Câmara será rejeitada.

Segundo ele, o Ministério Público incluiu indevidamente nas manifestações de rua um tema que estava em debate no Congresso e sobre o qual menos de 5% da população tem conhecimento. O deputado acha que o bom senso recomenda que o debate seja adiado para o segundo semestre.

Leia mais: PEC 37 ganha as ruas, mas poucos sabem o que é

São Paulo:  Protesto contra PEC 37 vira ato de oposição ao governo

Protesto em SP reúne 30 mil contra a PEC 37
Futura Press
Protesto em SP reúne 30 mil contra a PEC 37

“A PEC 37 não é a PEC da impunidade nem da corrupção. Isso é uma mentira, uma fraude, uma falácia. O pior de tudo é que procuradores e promotores têm consciência de tudo isso. Mas preferiram mentir e agora passaram a acreditar na própria mentira”, disse o deputado, que é também delegado especial da Polícia Civil.

O deputado diz que está sendo ameaçado de morte por defender a PEC. “Pedi (nesta segunda-feira) providências à Mesa da Câmara. Quero garantias de integridade física, do livre direito de ir e vir a mim e à minha família. Quero exercer livremente meu mandato”, disse Mendes. Segundo ele, desde sexta-feira seu gabinete vem recebendo ameaças por telefone.

Lourival Mendes admite que a PEC é uma redundância jurídica, mas diz que ela tornou-se necessária em decorrência do avanço indevido do Ministério Público sobre atribuições constitucionais da polícia judiciária da União e dos Estados. “No Brasil é preciso repetir o óbvio”, afirma.

A favor: Mais de 130 ações questionam poder de investigar do Ministério Público

Contra: Lei é mordaça e estimula impunidade

O MP, segundo ele, não perderia nada com a aprovação da PEC porque não tem o poder de apurar. Lourival Mendes diz que é necessário lembrar o artigo 129 da Constituição para entender que o MP é forte e tem seus poderes preservados.

“O MP pode muito. Ele é titular exclusivo da ação penal, pode requisitar investigações à polícia, fiscalizar a atividade policial e apresentar a denúncia. Só não pode denunciar e apurar ao mesmo tempo porque é parte do processo”, explica.

O deputado afirma que 98 ações de combate à corrupção estão paralisadas no Supremo Tribunal Federal sob o argumento de que as investigações feitas apenas pelo MP são inconstitucionais. “Quem apura e denuncia desequilibra o devido processo legal. O MP não foi preparado para investigar. Se quiserem entregar tudo ao MP, que entreguem. Mas é o Congresso que precisa definir isso”, afirmou.

Segundo ele, ao levar para as manifestações um tema incompreensível para o grosso da população, com uma argumentação “fantasiosa”, o MP aposta na desestabilização da polícia judiciária e desagrega as instituições que deveriam agir juntas no combate ao crime e a impunidade.

Mendes lembra que os dirigentes do Movimento Passe Livre já esclareceram que a PEC 37 não está na agenda das reivindicações.

O deputado afirma que a norma usada pelo MP para investigar – os chamados PICs (Procedimento Investigatório Criminal), criados em 2007 por resolução do Conselho Nacional do Ministério Público – “fere de morte a Constituição” porque não têm forma jurídica, nem controle judicial e passa por cima de direitos como a ampla defesa.

“Estamos vivendo uma ditadura ministerial, com grampos ilegais espalhados para todos os lados. Os PICs sangram os direitos do cidadão”, afirma.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.