Não há democracia sem partido, diz ministro sobre reações antipartidárias

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Para Carvalho, País vive um momento particular no qual é necessário fazer uso de ‘autocrítica e abertura de espírito’ para perceber a mensagem das ruas

Agência Brasil

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, manifestou nesta sexta-feira (21) preocupação com as reações contrárias à participação de partidos políticos nas manifestações que estão ocorrendo no país. Segundo ele, democracia e partidos políticos estão diretamente vinculados. Para o ministro, o momento é de celebração, mas também de apreensão. O que a sociedade precisa, disse ele, é se fazer representar por partidos que representem o povo e que não compactuem com a corrupção.

Leia mais: Dilma realiza reuniões de emergência após protestos marcados por violência

Anúncio: MPL encerra protestos, reforça origem de esquerda e diz que não é antipartidário

Quinta: 1 milhão de pessoas vão às ruas e vandalismo se espalha pelo País

Sexta: São Paulo amanhece com novos protestos por moradia e reajuste salarial

“Quando se grita ‘sem partido’, nós vemos aí um grande pedido. E não há democracia sem partido. Não há democracia sem uma forma mínima de instituição. Sem partido, no fundo, é ditadura. Temos de ficar muito atentos a isso. Então, é um momento de celebrar e, ao mesmo tempo, é um momento de apreensão e de convidar a sociedade para que haja uma disputa pela democracia de verdade, que se faça representar por partidos que, de fato, representem o povo e que não compactuem com a corrupção”, disse Carvalho.

Preocupada com a violência dos protestos, a presidente Dilma Rousseff convocou nesta sexta-feira (21) uma reunião de emergência com ministros. Ainda não há confirmação se o governo fará um pronunciamento oficial.

Segundo Carvalho, que participou da reunião preparatória da Jornada Mundial da Juventude, prevista para julho no Rio de Janeiro, o fato de a imprensa brasileira ter estimulado, ao longo do tempo, “um tipo de moralismo no sentido despolitizado e um tipo de antipolítica” também contribuiu para a exclusão dos partidos dessas manifestações.

Para ele, o país vive um momento particular no qual se é necessário fazer uso de “autocrítica e abertura de espírito” para perceber que os manifestantes mandam mensagens que ainda precisam ser compreendidas para, então, ser canalizadas para o bem do país, para o avanço dos direitos e para a conquista de serviços “de um tipo de governo que, de fato, atenda à necessidade do povo”.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas