Manifestantes têm o apoio de 1,6 milhão de assinaturas reunidas em uma petição online a favor da renúncia do peemedebista da presidência do Senado

Agência Estado

O movimento que pede a saída de Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado reuniu menos de 30 pessoas no gramado em frente ao Congresso Nacional na manhã desta quarta-feira. Simbolicamente, no entanto, o ato representa um total de 1,6 milhão de assinaturas obtidas em uma petição online.

Senado: Renan anuncia reforma para tentar diminuir gastos e desperdícios

Leia mais:  Demissão de estagiárias do Senado por crítica a Renan gera mal-estar

As adesões, promovidas pelo site da ONG Avaaz, pedem que Calheiros deixe a presidência do Senado. Uma das argumentações é a de que as acusações de corrupção contra o senador no Supremo Tribunal Federal (STF) não são compatíveis com cargo de presidente do Congresso.

Manifestantes protestam em frente ao Congresso pedindo a saída de Renan da presidência do Senado
Agência Brasil
Manifestantes protestam em frente ao Congresso pedindo a saída de Renan da presidência do Senado

Os manifestantes também colocaram uma bandeira gigante do Brasil no gramado do Congresso. Na bandeira estava escrito: "Será que o Senado vai ouvir?". Logo depois, os manifestantes entraram no Congresso, onde haverá uma reunião para a entrega das assinaturas para parlamentares da oposição.

Leia também: Renan é alvo de protestos ao subir a rampa do Congresso

Senado: Por 56 votos, Renan é eleito novamente presidente da Casa

O diretor de campanhas da Avaaz, Pedro Abramovay, que é ex-Secretário Nacional da Justiça do governo Lula, vai encaminhar nesta quarta uma representação na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) federal. Ele quer que a OAB encaminhe uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) ao STF pedindo o fim do voto secreto na escolha do presidente do Senado.

Na internet, a Avaaz informa que "é uma comunidade de mobilização online que leva a voz da sociedade civil para a política global".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.