Gravações obtidas pelo programa Fantástico, da TV Globo, mostram violência utilizada pelo grupo do contraventor

O contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , é suspeito de comandar o sequestro de um homem que estaria fraudando seus caça-níqueis e retirando o dinheiro, segundo informou reportagem do Fantástico , veiculada pela TV Globo no domingo. De acordo com investigações da PF, em abril de 2009, ele teria ordenado que o sargento reformado da Aeronáutica Idalberto de Araújo, o Dadá, apontado como informante de Cachoeira, averiguasse a situação e usasse violência.

Dadá: "Eu falei: 'bicho, é o seguinte: todo o material que 'tá' aqui apreendido vai ser 'entregado' para o Carlinhos'"
Carlinhos Cachoeira: "Excelente. Faz isso aí. Manda brasa. Desbarata esses malandros aí".

Leia também:  'Hoje sei que sempre serei a ex-esposa de Carlos Cachoeira', diz Andréa

Veja o especial do iG sobre a CPI do Cachoeira

Carlinhos Cachoeira foi preso em fevereiro deste ano acusado de comandar um esquema de exploração de jogos ilegais
AE
Carlinhos Cachoeira foi preso em fevereiro deste ano acusado de comandar um esquema de exploração de jogos ilegais


Depoimento à CPI:  Mulher de Cachoeira permanece em silêncio

Saiba mais:  Mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, paga fiança de R$ 100 mil

Em seguida, segundo investigações da PF anteriores à Operação Monte Carlo - que prendeu o bicheiro em fevereiro deste ano -, sob as ordens do chefe, Dadá teria feito Elion Alves Moreira refém, para que ele confessasse a suposta fraude.

Dadá: "O celular dele tá aqui com a gente, entendeu? Então, ele tá sem comunicação com o time dele lá"
Carlinhos Cachoeira: "Pega ele e leva ele pra outro canto até ele contar".

Dossiê:  Mulher de Cachoeira é suspeita de tentar subornar juiz, diz PF

A polícia afirma, segundo a reportagem, que o refém chegou a ser agredido a mando de Cachoeira.

Dadá: "Era melhor ele ter baixado a bola e não ter levado o pescoção"

Carlinhos Cachoeira: "Exatamente, malandro. Tinha que arrumar na orelha dele meso, vigarista."

O advogado de Elion nega que tenha havido sequestro e afirma que a Polícia Federal fez uma interpretação errada das escutas.

Propina

De acordo com a reportagem do Fantástico , as investigações da Polícia Federal apontam que nas cidades em Brasília e no entorno, quem tinha ponto de jogos ilegais era obrigado a pagar 30% do faturamento à organização comandada por Carlinhos Cachoeira. Em uma das gravações Lenine Araújo de Souza, o "gerente" da suposta quadrilha, diz que Cachoeira comanda a exploração de jogos ilícitos há 17 anos.

CPI faz cerco a Cachoeira, mas chega à metade dos trabalhos ainda sem rumo

Defesa de Cachoeira questiona acesso da Polícia Federal a linhas telefônicas

Para que a organização funcionasse, ao menos 32 agentes da Polícia Civil, Militar e Federal recebiam propina. Segundo a contabilidade da organização obtida pela PF, que vai de 25 de fevereiro a 2 de agosto de 2001, o policial federal Anderson Aguiar Drummond teria recebido oito pagamentos, totalizando R$ 24 mil. O advogado do agente nega.

O delegado José Luiz Martins de Araújo, chefe da 5ª Delegacia Regional de Luziânia, próximo a Brasília, e Regina de Melo, uma das funcionárias, também são apontados como recebedores da organização de Cachoeira. Regina, que, segundo a polícia era quem fazia os contatos com Lenine, chega a pedir uma reforma da delegacia.

Regina: "Nós estamos precisando de 670 reais pra pagar o pedreiro e botar a soleira na porta e os portais"
Lenine: "Eu vou ajudar aí"

Um inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Alexsandro Fonseca, o "Tchê" ou o "Gaúcho" teria recebido R$ 31 mil, de acordo com a contabilidade apreendida pela polícia. Ele, segundo a reportagem, está afastado do cargo e negou o recebimento de propina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.