Gurgel mantém 'mensalão para menores' no ar no site do Ministério Público

Pane tirou cartilha do site por cerca de quatro horas; petistas pedem que página seja retirada alegando que o texto faz juízo de valor contra os réus

Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

A página da Procuradoria Geral da República ficou fora do ar por cerca de quatro horas no final da manhã e início da tarde desta quinta-feira. A pane levou alguns envolvidos com o julgamento do mensalão a pensar que o Ministério Público Federal sucumbiu às pressões petistas e tirou do ar a página da Turminha do MPF, na qual oferece uma versão do escândalo para crianças.

Leia também:  Defesas de réus do mensalão decepcionam ministros do STF

Leia mais: Procurador cria ‘efeito cascata’ entre advogados ao citar Chico Buarque

Banco dos Réus: Quem são os 38 acusados e a que crime respondem

Reprodução
MPF explica mensalão para crianças em seu site

A página, que o MPF nega se tratar de uma cartilha, continua no ar. A decisão de manter no ar o “mensalão para menores”, como tem sido chamado, passou pelo próprio procurador-geral, Roberto Gurgel. Ele foi consultado sobre o assunto na segunda-feira e deu aval para a manutenção da página polêmica.

Procuradoria: Gurgel mira em Dirceu e chama mensalão de 'esquema atrevido'

Ontem, foi a vez de o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) apresentar uma representação assinada por mais de 200 advogados pedindo a retirada da página. Eles alegam, entre outras coisas, que o texto faz juízo de valor sobre assunto em julgamento e que o MPF não menciona escândalos de outros partidos também investigados pelo órgão como o mensalão mineiro, que envolve o PSDB, e a cassação do senador Demóstenes Torres (DEM).

Núcleo financeiro: Advogado nega participação de ex-diretor do Banco Rural 

Thomaz Bastos: Acusação é ‘construção mental’ do Ministério Público

A assessoria de imprensa do MPF, responsável pela página, diz que o mensalão é apenas um dos muitos temas abordador pela Turminha do MPF, que a versão publicada é a que foi defendida pelo procurador-geral e, mesmo assim contempla os argumentos da defesa, e por fim que, a exemplo de outros assuntos, o resultado final do julgamento será incluído, mesmo que seja desfavorável ao MPF.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG