'Nasci na luta', diz ex-preso político torturado ao lado do pai

Ivan Seixas conta ao iG sobre os dias em que ficou preso no DOI-Codi e como foi crescer tendo pai e mãe militantes contra a ditadura militar. Sobre a Comissão da Verdade, opina: 'É a coisa mais sensacional que poderia ter acontecido e que devia ter acontecido muito tempo atrás'

Bruna Carvalho - iG São Paulo |

Com precisão e riqueza de detalhes, o ex-preso político e atual presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe-SP), Ivan Seixas, 57 anos, relatou ao iG sobre os tempos da ditadura militar (1964-1985), quando atuou ao lado do pai - que morreu vítima de tortura - no Movimento Revolucionário Tiradentes, organização clandestina de luta armada que tinha como ideal derrubar o regime e constituir um Estado socialista.

iG Entrevista:  Pai de ministro narra como abdicou do filho durante a Ditadura Militar

Leia tudo sobre a Comissão da Verdade

Entenda:  O que é Comissão da Verdade?

Os pais de Ivan, Joaquim e Fanny, eram militantes de esquerda e se conheceram na sede do Partido Comunista, com o qual romperiam anos mais tarde. Desde os 10 anos de idade, Ivan fazia pequenas tarefas para ajudar a organização clandestina, como confeccionar panfletos e passar informações de casa em casa. "Eu falo uma coisa que pode parecer arrogante, mas eu não entrei na luta, eu nasci dentro dela", afirmou.

Aos 15 anos, Ivan decidiu que entraria de cabeça no movimento, contrariando a vontade dos próprios pais, que ficavam preocupados com a segurança e com os estudos do filho. Pouco tempo depois, ele e o pai foram encontrados pela polícia e levados para o Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), na região do Paraíso, em São Paulo, onde hoje funciona o 36° Distrito Policial.

"Eu prefiro falar que a gente não foi preso. Que a gente foi capturado. Porque eu não reconheço autoridade legal nem moral da ditadura para prender. Eles capturavam. Todos nós fomos sequestrados em casa, na rua. Não existia essa figura que as pessoas criaram de porões da ditadura. Não tinha porão coisa nenhuma. Era tudo feito abertamente", recorda.

Levados ao DOI-Codi, Ivan e Joaquim enfrentaram torturas durante dois dias, ele no pau-de-arara, o pai na chamada "cadeira do dragão" - espécie de cadeira elétrica com fios que eram conectados em diversas partes do corpo do torturado para dar choques. Os dois estavam separados apenas por uma fina divisória e conseguiam escutar um ao outro durante todo o processo. "O choque elétrico é uma coisa desestruturante. O choque não é uma coisa que doa. Mas como atinge o sistema nervoso central, você fica tão perdido, tão desconfortável, que você grita", conta.

Além dos dois, Fanny e as duas filhas, Ieda e Iara Seixas, também foram levadas ao DOI-Codi. E, na sala abaixo da que estavam Ivan e Joaquim, acompanharam a tortura e a morte do pai da família.

Sobre a Comissão da Verdade , instalada pela presidenta Dilma Rousseff em maio com o objetivo de investigar as violações dos direitos humanos durante o período de 1946 a 1988, Ivan é otimista. "Eu acho que é a coisa mais sensacional que poderia ter acontecido e que devia ter acontecido muito tempo atrás."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG