A presidenta interina do Congresso, Rose de Freitas, deu prazo até a próxima terça para os partidos indicarem os membros da CPI

O Congresso Nacional criou na manhã desta quinta-feira (19) a CPI mista que vai investigar os braços político e empresarial do esquema de contravenção do empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , preso desde fevereiro.

Após a leitura do requerimento, assinado por deputados e senadores, a presidenta interina do Congresso, deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), deu prazo até o próximo dia 24 (terça-feira) para os partidos indicarem os nomes dos membros da comissão e convocou sessão no mesmo dia, às 19h30, para que a CPI seja instalada. O documento teve apoio de 337 deputados (de um total de 513) e de 72 senadores (de um total de 81).

Leia também: Entenda a rede de 'negócios' do bicheiro Cachoeira, alvo da CPI

Durante sessão, Congresso cria CPI para investigar negociatas de Carlinhos Cachoeira
Agência Câmara
Durante sessão, Congresso cria CPI para investigar negociatas de Carlinhos Cachoeira

Leia também: “Não dedo nem meus inimigos”, diz tucano amigo de Cachoeira

Poder Online: PSDB e PT podem entregar as cabeças de Perillo e Agnelo

Rose assumiu o cargo devido à licença médica do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) e é a primeira mulher a presidir o Congresso .

O presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), resume em uma frase curta o atual momento: “CPI não é boa para ninguém.” Formalmente, a CPI é criada com a leitura do requerimento assinado por deputados e senadores.

Apesar de ser tradicionalmente um instrumento de oposição para investir no Poder Executivo, a CPI do Cachoeira nasceu, em princípio, com o apoio de setores do governo. Na última semana, porém, houve uma discussão no Palácio do Planalto para abortá-la.

Exclusivo: Jogo do bicho ignora CPI e corre solto na Esplanada dos Ministérios

Leia também: PMDB quer CPI para negociar com Dilma

Como o iG antecipou no domingo, o governo teme perder o controle das investigações . Isso porque um dos alvos das apurações será a Delta Engenharia, empresa que detém a maior parte das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O governo teme também que o PMDB, dono da maior bancada do Senado e da segunda maior na Câmara, use a CPI para negociar cargos, emendas e outros pedidos. Na segunda-feira, o iG também mostrou que peemedebistas podem atrapalhar petistas envolvidos com Cachoeira.

A presidenta Dilma Rousseff não gostou da criação da CPI. Ela estava fora do País quando integrantes do PT e do Ministério bateram o martelo a favor da comissão. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, chegou a dizer que a CPI mostraria “a farsa do mensalão”.

Setores do PT acreditam que a CPI poderá revelar que Cachoeira comandava um esquema de arapongagem que teria “fabricado” escândalos. É creditado ao grupo de Cachoeira a autoria do vídeo em que o dirigente dos Correios recebe propina, caso que detonou “o mensalão”.

Apesar de apoiar a CPI desde o início das discussões sobre o assunto, a oposição não se encontra numa situação confortável. Então líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO) é apontado como uma espécie de lobista de Cachoeira no Congresso.

Em gravações feitas pela Polícia Federal com autorização judicial, Demóstenes aparece conversando com Cachoeira sobre projeto de interesse do bicheiro. A revelação fez com que ele fosse pressionado a deixar o DEM. Foi aberto um processo de quebra de decoro contra ele.

Outro partido de oposição, o PSDB também enfrenta problema. O governador de Goiás, Marconi Perillo, é suspeito de nomear pessoas indicadas por Cachoeira na sua administração. Além disso, o deputado tucano Carlos Leréia (GO) também aparece em gravações suspeitas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.