O dedo que puxa o gatilho de uma arma, também faz arte com um clique fotográfico

Guto é um fotografo premiado. Ambar é um Major da Polícia Militar. Conheça o trabalho que o fotografo premiado e também Major da Polícia Militar, Luis Pacheco Augusto Ambar, faz
Foto: foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Policiais Militares do Segundo Batalhão de Choque do Estado de São Paulo

É difícil encontrar uma pessoa que possua a firmeza e coragem de, dentro dos limites da lei, saber como e quando usar seu dedo para puxar o gatilho de uma arma, Também é difícil encontrar uma pessoa que tenha a sensibilidade e técnica de, fora dos limites do convencional, saber como e quando usar seu dedo para acionar o obturador de uma máquina fotográfica e criar arte. 

Leia também: Mais rápida que a própria vítima, ROCAM recupera carro antes de B.O. ser feito

Há pouco mais de um ano tive o privilégio de conhecer Luis Augusto Pacheco Ambar, Major da Polícia Militar de São Paulo, pai da Stephanie e da Vitória. Ele é uma dessas raras pessoas que possui estes dois dons.

Foto: foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Caminhões do Segundo Batalhão de Choque em deslocamento pela Ponte Estaiada, na cidade de São Paulo

Nesse período acompanhei o Major Ambar em vários treinamentos e operações das unidades do Choque da PM paulista, incluindo o salto de altitude, sem paraquedas, de tropas embarcadas em helicópteros na água, tiros de precisão de longa distância, explosões de bombas, invasão táticas de cativeiros e patrulhas em áreas de risco, entre várias outras atividades. Em todos esses momentos, sempre me chamou a atenção o equipamento padrão de trabalho do Major: uma pistola calibre .40 e uma máquina fotográfica Nikkon.

Leia também: ROCAM espalha equipes e sufoca a criminalidade em São Paulo

No entanto, por mais que a visão de sua arma transmita uma forte sensação de segurança, é sua máquina fotográfica que me impressiona mais. A capacidade do Major em observar momentos únicos e transformá-los em obras de arte já lhe rendeu vários prêmios.

Foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Secretário de de Segurança Pública de SP Mágino Alves Barbosa Filho, Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar (autor do livro “2º Choque – Honra, Fibra, Vitória”) e o Secretário Adjunto de Segurança Pública Sérgio Turra Sobrane, durante a noite de lançamento do livro

No começo deste ano ele lançou seu primeiro livro de arte retratando as ações das várias unidades do Choque da Polícia Militar paulista intitulado: “Choque - Missões Singulares”,  uma daquelas obras que você tem orgulho em deixar sobre a mesa da sala de estar da sua casa. Mês passado, o Major Ambar apresentou seu segundo livro de arte sobre o Choque, desta vez com foco nas operações desenvolvidas apenas por uma das cinco unidades da elite da PMSP: o  Segundo Batalhão de Choque . Com o título:  “2º Choque – Honra, Fibra, Vitória”,  essa é mais uma peça repleta de imagens de tirar o fôlego.

Leia também: Em operação noturna, o COE ataca o tráfico na zona sul de São Paulo

Conheça abaixo um pouco da vida de Luis Ambar, e curta algumas das fotos do seu mais recente livro.

O que um fotografo premiado esta fazendo na Polícia Militar?
Acho que a pergunta é ao contrário: O que um Policial Militar está fazendo como fotografo? (risadas). A “culpa” não foi minha e sim dos meus pais. Meu lado artístico foi herdado da minha mãe, uma grande artista plástica, que sempre foi muito ligada ao mundo das artes e isso acabou por acender em mim essa luz de criar a beleza com as nossas próprias mãos. Já a minha paixão profissional de ser um Policial Militar vem do meu pai e do meu avô, ambos Policiais Militares. Desde cedo convivi neste meio, aprendi a gostar e respeitar seus valores. Quando criança tive uma intensa convivência com o mundo da PM, eu jogava bola no Quartel, cortava cabelo e fazia refeições lá. Fiz muitas amizades nesse período, que seguem sólidas até hoje. Me lembro que uma das épocas que eu mais curtia eram as férias, pois passava o dia no Quartel, fazendo todo tipo de atividades com os outros filhos de Policiais. Foi uma fase muito feliz da minha vida que moldou meu caráter e meus valores pessoais.

Leia também: ROTA traz conforto e alegria à duas famílias

As mesmas mãos que já prenderam e algemaram criminosos possuem a sensibilidade, intuição e técnica para manipular uma maquina fotográfica. Isso não é contraditório?
Na verdade as duas atividades possuem elementos muito parecidos. Como qualquer Policial Militar, tenho um olhar cuidadoso e atento aos detalhes que me cercam, uma noção apurada de tempo e espaço, e a iniciativa de tomar decisões instantâneas, sem nenhuma margem de erro. Treinamos intensamente isso durante toda nossa carreira na PM, já que nossas vidas, e dos cidadãos que defendemos, dependem disso. A fotografia demanda essas mesmas qualidades: atenção aos detalhes, persistência e paciência em esperar o momento ideal para agir e a capacidade de processar múltiplas informações e filtrar as mais relevantes. Como PM, tenho um diferencial que me dá uma vantagem sobre meus colegas fotógrafos: acesso a locais e situações que poucos possuem, seja em treinamentos ou em operações reais. Isso me permite capturar imagens que são difíceis de ser registradas e transmitir a intensidade dessa realidade tanto do ponto de vista do ineditismo como da possibilidade artística.

Foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
As icônicas motocicletas Harley Davidson vermelhas e brancas usadas pela unidade de Escolta do Segundo Batalhão de Choque

Como surgiu a ideia de fazer uma coleção de livros de arte das áreas do Choque da PM?
Ano passado assumi um posto na área que comanda todos os Batalhões do Choque, e isso me deu acesso livre à todas as unidades de elite da PM e suas atividades de policiamento especializado. Pude então juntar minhas duas paixões: a Polícia Militar e a fotografia. O objetivo inicial era manter nossa memória interna, registrando e valorizando quem somos e o que fazemos. Quando vi os primeiros resultados, percebi que o material tinha um bom potencial artístico e nasceu a ideia de fazer um livro de arte para que a população conhecesse os Batalhões de elite da PM. Ele foi batizado de “Choque - Missões Singulares” e é composto por 200 páginas com 222 fotos impressas em papel de alta qualidade. Agora lancei o segundo livro, focado nas atividades específicas do Segundo Batalhão de Choque, que se chama: “2º Choque – Honra, Fibra, Vitória”.  

Foto: foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Treinamento do Segundo Batalhão de Choque

O que é o Choque?
O Choque é uma área da Polícia Militar composta por cinco Batalhões altamente especializados que dá apoio às atividades do policiamento regular do dia-a-dia. Cada unidade do Choque possui treinamentos e equipamentos bastante específicos, sempre em prontidão para resolver situações de crises complexas e de alto poder ofensivo contra a segurança pública.

Leia também: ROTA desestrutura o tráfico e apreende 2 toneladas de drogas

Você pode dar alguns exemplos?
Sim. Normalmente as ocorrências de roubo à banco são resolvidas pelos Policiais Militares que atuam na área, mas se eles se depararem com uma situação mais complexa que envolva reféns, armamentos pesados e até bombas, eles irão acionar o Grupo de Ação Táticas Especiais (GATE), do 4º Batalhão Choque, que possui Policiais habilitados para lidar com esse tipo de ocorrência. Um outro exemplo envolve o trabalho de inteligência da PM que, ao descobrir um local usado para armazenar drogas ou armas, de difícil acesso e fortemente protegido por criminosos, irá acionar o Comandos e Operações Especiais (COE), também do 4º Batalhão Choque, composto por Policiais de elite com treinamento para atuar por terra, ar e mar, em operações diurnas e noturnas, em qualquer tipo de clima, em cenários urbanos e rurais.

Quais são as cinco unidades de Choque?
O 1º Batalhão é a ROTA, especializado no policiamento ostensivo em áreas com altos índices de criminalidade. O 2º Batalhão é o que faz a segurança de grandes eventos esportivos, culturais e manifestações. Também estão sob sua responsabilidade a ROCAM e a escolta de autoridades, ambos feitos com motocicletas. O 3º Batalhão é voltado ao controle de distúrbios e também é responsável pelo Canil. O 4º Batalhão é dividido entre o COE e o GATE, conforme explicado na pergunta anterior, e finalmente o 5º Batalhão de Choque é a Cavalaria, que atua de forma ostensiva e preventiva em patrulhamentos regulares e também no controle e dispersão de distúrbios de grande porte.

O que é o Segundo de Choque que você mostra nesse livro?
O “Segundo” é um Batalhão formado por homens e mulheres altamente treinados e especializados no policiamento e controle de ambientes com multidões, com o objetivo de proteger os cidadãos e evitar conflitos. O povo paulista conhece bem o trabalho desses PMs, já que entre suas atividades está a segurança dos grandes eventos culturais, artísticos e esportivos, como os jogos futebol, e também das grandes manifestações populares. Este Batalhão possui uma história muito rica e de resultados operacionais muito expressivos nos seus 83 anos de existência. Um bom exemplo é o fato do “Segundo” ter sido a única unidade da Policia Militar convocada pelo Exército para operar na Segunda Guerra Mundial. Sua atuação foi tão bem sucedida que no final da guerra serviu de modelo para a criação da Polícia do Exército.

Foto: foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Policias Militares da ROCAM pilotando as novíssimas Tiger 800

E a parte de motocicletas do Segundo de Choque?
São duas atividades bem distintas. A primeira é a escolta de autoridades feita pelas icônicas Harley Davidon vermelhas e brancas. O trabalho desta unidade é referência mundial. Os PMs que pilotam essas máquinas possuem um treinamento muito especializado com objetivo de criar soluções de deslocamento fluido, continuo e seguro para que o comboio não pare de rodar nunca. Diferente de outros países que interditam ruas com antecedência, nossa escolta faz bloqueios pontuais e rápidos, à medida que o comboio se desloca, causando um impacto mínimo ao transito local. A segunda atividade é desenvolvida pela ROCAM (Rondas Ostensivas Com Apoio de Motocicletas), uma modalidade de policiamento extremamente respeitada e muito eficiente, desenhada para dar respostas imediatas num ambiente urbano de tráfego viário complexo como o das grandes cidades. Esses pilotos da PM possuem um treinamento diferenciado que os habilita a combater o crime em qualquer tipo de terreno, desde o pesado trânsito do asfalto até nos ambientes rurais com vielas não pavimentadas, com extrema agilidade e rapidez. Este ano, a ROCAM passou a usar as modernas e potentes motocicletas Tiger 800.

Foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Policial Militar Segundo Batalhão de Choque em operação de controle de distúrbios

Ainda faltam quatro livros de arte para fechar o ciclo do Choque, é isso?
Sim, meu compromisso pessoal e com o Comando Geral da PM é de fazer um livro para cada Batalhão de Choque, para registrar e contar a história de cada um deles. O próximo já esta sendo produzido.

A última pergunta é sempre a mais difícil: tem alguma foto que você tirou do Choque que você mais curte?
Claro de sim: a próxima!

Leia também: E se terroristas decidissem atacar São Paulo? O GATE resolve

Veja abaixo duas galerias de fotos; a primeira com uma seleção de fotos do livro “2º Choque – Honra, Fibra, Vitória”, e na segunda conheça um pouco sobre os 1º, 3º, 4º e 5º Batalhões de Choque através de algumas fotos dos próximos livros de arte do Major PM Ambar.

Seleção de 36 fotos do livro “2º Choque – Honra, Fibra, Vitória”




Seleção de 30 fotos dos 1º, 3º, 4º e 5º Batalhões de Choque: Rondas Ostensivas Tobias de Aguir; Canil; Comandos e Operações Especiais & Grupo de Ações Táticas Especiais; Regimento de Cavalaria


Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/policia/2017-11-23/segundo-batalhao-de-choque.html