Funcionamento de escolas no Afeganistão varia de acordo com poder do Taleban

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Instituição para meninos em Marjah, em Helmand, abre as portas apenas quando a política local permite que isso seja feito, mas instabilidade prejudica ensino e frequência de alunos

NYT

O diretor de uma escola para meninos em Marjah, no Afeganistão, experimentou nos últimos três anos semestres escolares ininterruptos que lotaram suas salas de aula, atraindo alunos que vivem a quilômetros de distância. Mas a experiência lhe ensinou a não contar com este tipo de sorte.

Leia mais: Governo do Afeganistão 'reescreve' história do país em livros escolares

Saiba também: O lento renascimento da educação no Afeganistão

NYT
Estudantes prestam atenção na aula em uma escola para meninos em Marjah, no Afeganistão


Conflitos: Entenda por que o Afeganistão é estratégico

Em apenas 12 anos, Abdul Aziz, 50, viu pelo menos dois governos anti-educacionais tomarem o poder. Ele abre as portas de sua escola apenas quando a política local permite que isso seja feito, mas com tanta instabilidade ele não consegue atrair bons professores ou mesmo fazer com que a secretaria de educação da província lhe envie livros suficientes. Sua escola é gelada no inverno, escaldante no verão e mal abastecida o ano inteiro, mas pelo menos permanece aberta.

"Quando o Taleban chegou ao poder na década de 1990, perdemos muitos alunos e muita gente deixou Marjah", disse. "Então, em 2002, depois que o Taleban fugiu, as pessoas voltaram e as escolas reabriram até o retorno do Taleban em 2006, e, em seguida, as escolas fecharam novamente. E foram reabertas em 2010, quando os Fuzileiros Navais se instalaram no local."

Disputas internas e interferências: Invasões e conflitos marcam história do Afeganistão

Ministro: Paquistão está preparado para diálogo de paz com Taleban

Sua escola é um exemplo de como o aumento do número de soldados americanos na província de Helmand melhorou a vida das pessoas em cidades como Marjah, que já foi reduto do Taleban. Entretanto, também mostra as limitações da zona rural do sul do Afeganistão, apesar da disponibilidade de vastos recursos do ocidente.

A combinação de insegurança, problemas logísticos e corrupção na maioria das vezes faz com que as escolas que conseguem abrir suas portas não estejam devidamente equipadas ou organizadas e muitos pais continuam desconfiados em mandar seus filhos para que as frequentem.

Vídeo 1: Afegão vende filha de 6 anos para pagar dívida de cerca de R$ 5 mil

Vídeo 2: Menino escapa de se tornar homem-bomba do Taleban; assista

"Esse não é apenas um problema de Marjah – esse é um problema de todos os que habitam na região rural de Helmand", afirmou Nasima Niazi, membro do Parlamento de Helmand, que ensinou durante anos nas escolas da província antes de exercer seu atual cargo no governo.

NYT
Estudante caminha entre os prédios de uma escola para meninos em Marjah, no Afeganistão

Ainda assim, há agora 140 mil crianças matriculadas nas escolas da província, de acordo com a secretaria de educação  da província, um número surpreendente levando em consideração que em 2002, quando Niazi começou a dar aulas novamente, apenas 75 alunos estavam matriculados no ensino médio em Lashkar Gah, a capital da província.

Marjah também experimentou uma história de sucesso, ainda que frágil. Com 9 de 15 escolas abertas e 5 mil crianças frequentando as aulas, não há comparação com três anos atrás. Mas as famílias da região estão sempre prontas para tirar seus filhos da escola por causa do medo de represálias do Taleban. Esse temor é constante, apesar de um esforço por alguns dos insurgentes para melhorar sua imagem, permitindo que as escolas de meninos permaneçam abertas em diversas áreas de Helmand, segundo informou Mohammed Nasim Safi, o chefe da secretaria de educação.

Leia mais: Obama e Karzai aceleram transição militar no Afeganistão

O diretor, Aziz, administra a escola Bloco 5 em Marjah, que fica na intersecção de duas estradas de terra. Seus edifícios ficam um de frente para o outro, divididos por um jardim pouco cuidado. No início do inverno, um vento frio toma conta das salas de aulas onde as crianças sentam-se em antigas mesas de madeira.

Sempre falta alguma coisa nas escolas para meninos - não há escolas para meninas em Marjah. Alguns têm cadernos, mas não possuem mochilas ou sapatos, outros têm sapatos, mas não têm cadernos. "Temos livros para a 1ª, 2ª, 4ª e 6ª séries, mas não para a 3ª série", disse.

Amanullah, 12 anos, que usava um chapéu de lã e uma jaqueta que era grande demais para ele, prestava atenção à medida que seu professor, um homem de barba grisalha que usava um aparelho auditivo, falava em voz alta aos alunos.

Nova história: Mulheres devem ter papel crucial no Exército do Afeganistão

Na sala de aula ao lado, um professor ensinava a língua pashtun com o auxílio de uma vareta, que periodicamente chicoteava de uma forma ameaçadora enquanto as crianças prestavam atenção nele. "Eu gostaria de ser um médico", disse Amanullah, "ou um engenheiro". 

Aziz disse ter raiva dos fuzileiros navais, que segundo ele não fazem muito para ajudá-los. "As crianças deveriam ser uma prioridade", disse. "Os soldados estrangeiros têm tudo à sua disposição, têm ar-condicionado 24 horas por dia, sete dias por semana em seus quartos. E essas crianças? Olhe para os seus pés. Muitas vêm para a escola descalças."

Em um dia de inverno em Marjah, até mesmo o guarda da escola, Koko Jan, falou sobre o quão importante é ter acesso a educação. Ele mal consegue escrever seu nome. Enquanto observava um repórter tomar notas na escola, ele parecia melancólico e disse: "Eu gostaria de poder escrever tão rápido quanto você."

NYT
Professor dá aula em escola para meninos em Marjah, Afeganistão

Por Alissa J. Rubin

Leia tudo sobre: afeganistãotalebanescolaensinoeducaçãoeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas