Tamanho do texto

Relacionamento ilegal entre David Brown, de 46 anos, e uma jovem que hoje tem 18 anos – que não teve o nome divulgado – foi revelado depois que a mãe da estudante encontrou mensagens de cunho sexual no iPhone dela

Mensagens apontam que o relacionamento de sexo entre os dois começou em 2013, quando a jovem tinha 14 anos
Reprodução
Mensagens apontam que o relacionamento de sexo entre os dois começou em 2013, quando a jovem tinha 14 anos

O professor de canto de um prestigiado colégio católico, localizado no sudeste da Inglaterra, foi banido defitivamente de qualquer sala de aula do país após ter mantido relações sexuais com uma de suas alunas adolescentes. Além do sexo, o docente teria também oferecido drogas à estudante.

Leia também: Grande oferta: pênis de marfim do século XIX vai a leilão na Irlanda

O caso, segundo investigações, começou em 2013, quando a jovem – que hoje tem 18 anos – tinha apenas 14. Na época David Brown, com 42 anos, ofereceu espontaneamente aulas de reforço gratuito para a jovem, que aceitou. Foi aí que eles começaram a se aproximar até culminar em repetidos atos de sexo .

O relacionamento ilegal entre eles foi revelado depois que a mãe da estudante encontrou mensagens de cunho sexual no iPhone dela. O aparelho, aliás, foi um presente do professor para a aluna, para que eles pudessem trocar mensagens com privacidade.

Segundo o The Telegraph , o professor chegou a enviar fotos de si mesmo nu durante o banho, mensagens que simulavam sexo explícito e até sugeriu o uso de drogas ilícitas para que o sexo entre os dois fosse "mais intenso".

"As conversas eram extremamente explícitas e, muitas vezes, ele pedia para ela mudar o aplicativo de conversas porque achava o Whatsapp mais seguro que os outros", disse a mãe da jovem.

Leia também: Entrou pelo cano! Mulher tenta desentupir privada com a mão e fica presa

Brown, que trabalhava na Worth School, no condado de West Sussex, foi banido da sala de aula e jamais poderá voltar a dar aula novamente. Isso porque a justiça inglesa assumiu que sua conduta profissional foi "inaceitável" e que "poderia trazer descrédito à profissão".

Trabalho 'remunerado'

De acordo com o que foi apurado pela polícia local, quando atingiu cerca de 16 anos, a jovem passou a dizer à sua família que o seu professor de canto tinha lhe oferecido um emprego de meio-período, o que seria seu primeiro trabalho remunerado.

Leia também: "Homem das cavernas" da vida real faz seus filhos caçarem a própria comida

Nessas tardes em que dizia que estava trabalhando, a jovem na verdade fazia sexo com o seu professor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.