Projeto nasceu porque equipe queria mostrar o valor das fezes em diversas áreas, como arquitetura, arte, medicina e agropecuária, além de tirar o preconceito com o material

Foi apresentado nesta segunda-feira (27), no Museu de Ciência e Tecnologia Leonardo da Vinci, em Milão, o "Museu das Fezes", o primeiro do gênero na Itália.

Museu na Itália abriga até fezes de dinossauro
Divulgação/Museu della Merda
Museu na Itália abriga até fezes de dinossauro

O "Museo della Merda" ou "Shit Museum" se localiza na fazenda Castelbosco, na província de Piacenza, e é uma ideia do empreendedor Gianantonio Locatelli, que teve a ajuda dos curadores Luca Cipelletti, Gaspare Luigi Marcone e Massimo Valsecchi.

O projeto, semelhante a um que já existe no Japão, nasceu porque a equipe queria mostrar o valor das fezes em diversas áreas, como arquitetura, arte, medicina, tecnologia e agropecuária, além de tirar o preconceito que muitos têm em relação ao material.

No local, podem ser vistos desde escaravelhos - animal considerado sagrado pelos egípcios e símbolo do museu - que empurram fezes até técnicas de construção com esterco usadas por antigas civilizações africanas. Além disso, o espaço também abriga obras de arte que utilizam o recurso, estudos sobre o assunto e até fezes de dinossauro.

Leia também:

Avião da British Airways faz pouso de emergência devido a mau cheiro no banheiro

Índia cria 'muros da vergonha' contra pessoas que defecam ao ar livre

Segundo o coordenador do Comitê Científico de Política Agrícola Comum (PAC) de Milão, Massimo Torrigiani, "a fazenda de Castelbosco é dedicada à fabricação de leite para o [queijo] Grana Padano" e conta com 2,5 mil bois que produzem em média 300 quintais (30 mil kg) da bebida e 1 mil (100 mil kg) de esterco por dia.

"Essa quantidade de fezes é administrada por Gianantonio Locatelli, que é proprietário da fazenda e a transformou em um projeto ecológico e industrial futurista. Do esterco se obtém hoje metano, estrume para os campos e matéria-prima para tijolos e gesso", afirmou Torrigiani.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.