Tamanho do texto

Investigação contra a Fundação Clinton se alonga há meses e busca elo entre doações e atuação de Hillary durante o governo de Obama

Hillary já foi investigada por usar servidores de e-mail particulares para enviar mensagens como secretária de Estado
The Guardian/ Reprodução
Hillary já foi investigada por usar servidores de e-mail particulares para enviar mensagens como secretária de Estado

A polícia federal dos Estados Unidos, o FBI, reabriu uma investigação para apurar supostos crimes de corrupção que teriam sido cometidos por intermédio da Fundação Clinton , liderada pelo casal Bill e Hillary Clinton.

Leia também: 'Trump não queria ser presidente', diz autor de livro polêmico lançado nos EUA

Os investigadores trabalham com a hipótese de que a fundação recebeu doações mediante a promessa de que facilitaria o acesso a Hillary Clinton , candidata democrata à presidência dos Estados Unidos nas eleições de 2016. Assim, as empresas doavam antevendo, na verdade, o recebimento de favores políticos.

De acordo com o jornal estadunidense Washington Post , a investigação contra a fundação já se alonga há meses e busca encontrar um elo entre as doações e a atuação de Hillary durante o governo de Barack Obama. Então, ela ocupou, entre 2009 e 2013, a chefia da Secretaria de Estado dos EUA, órgão máximo da diplomacia no país.

Contudo, ainda segundo informações do Post , o Departamento de Justiça e o FBI não acreditam que acusações formais sejam levadas a cabo contra Hillary ou contra o ex-presidente Bill Clinton.

Leia também: EUA permite retomada de ações contra legalização da maconha

Em meio à disputa eleitoral pela Casa Branca em 2016, o então candidato republicano Donald Trump por diversas vezes apelou para que o FBI investigasse a fundação do casal Clinton. O Ministério Público norte-americano, entretanto, preferiu suspender o inquérito, temendo que possíveis vazamentos de detalhes da investigação contaminassem o já tenso ambiente eleitoral – neste caso, o FBI poderia ser acusado de atuar politicamente, o que em todo caso foi o que acabou acontecendo por parte dos eleitores de Hillary.

Esta não é a primeira vez que Hillary passa por um escrutínio da justiça. Entre 2015 e 2016, ela foi investigada por ter usado servidores de e-mail particulares para enviar mensagens oficiais como secretária de Estado. O caso foi arquivado, para protesto de Donald Trump.

Em um pronunciamento, Craig Minassiam, porta-voz da Fundação Clinton, minimizou os efeitos da investigação. "De tempos em tempos, a Clinton Foundation é submetida a alegações motivadas politicamente, e de tempos em tempos, essas alegações se provam falsas", disse Minassian.

* Com informações da Ansa

Leia também: Após dois anos, Coreia do Norte liga para Seul e retoma comunicação com a do Sul