Conhecido como "carniceiro da Bósnia", ex-líder militar é considerado culpado por dez das 11 acusações contra ele; defesa afirma que vai recirrer

Ratko Mladic foi responsável pelos dois dos maiores massacres na Bósnia
Creative Commons/Flickr
Ratko Mladic foi responsável pelos dois dos maiores massacres na Bósnia

O Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), órgão das Nações Unidas (ONU) criado para investigar crimes de guerra, condenou nesta quarta-feira (22) o ex-militar sérvio-bósnio Ratko Mladic à prisão perpétua. Ele foi sentenciado como "culpado" por genocídio e crimes contra a humanidade, conforme informou a Agência EFE.

Leia também: Testemunha descreve horrores de ataque na Bósnia no julgamento de Mladic

Ratko Mladic foi julgado como responsável por dez das 11 acusações contra ele, incluindo dois dos maiores crimes cometidos entre os anos de 1992 e 1995: o cerco a Sarajevo e o massacre de Srebrenica.

Em Sarajevo , a capital da Bósnia , ele foi um dos autores da ordem para o massacre, pois "propôs e ordenou" o extermínio da população muçulmana residente na cidade, que durou 3 anos e 10 meses e provocou a morte de 10 mil civis. A ideia era criar um Estado sérvio etnicamente puro.

 Já em Srebrenica , aproximadamente 8 mil homens e meninos mulçumanos foram mortos pelas forças servo-bósnias à mando de Mladic.

De acordo com a sentença, o ex-militar sérvio-bósnio "compartilhava a intenção" e "o objetivo criminoso" de exterminar os muçulmanos e croatas durante a Guerra da Bósnia que ocorreu neste período, conforme afirmou o presidente do Tribunal, Alphons Orie.

O juiz afirmou que Mladic era parte de "uma equipe criminosa" que buscava a extermínio "de civis" da Bósnia.

Sua intenção, acrescentou Orie, era "destruir" a cidade, impedir o acesso dos civis à água, comida e eletricidade, e que estes "vivessem em uma situação de estresse e assédio" que provocasse o terror entre a população de Sarajevo, segundo informações da Agência EFE.

Leia também: No segundo dia, julgamento de Mladic é adiado indefinidamente

Expulsão

Mladic tem 74 anos, e enquanto ouvia a sentença sofreu uma "crise de hipertensão". Ele precisou ser expulso pelo juiz, depois de, aos gritos, pedir um adiamento da sessão. “Eles mentem, vocês mentem. Não me sinto bem”, gritou.

O ex-militar é conhecido como o "Carniceiro de Srebrenica", e se declarou inocente de todas as acusações. Sua defesa afirmou ainda que irá recorrer da decisão.

Repercussão

O Alto Comissariado dos Direitos Humanos da ONU se manifestou favorável à condenação. "Mladic é a essência do mal. Mladic comandou alguns dos crimes mais sombrios cometidos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial", disse Zeid Ra'ad Al Hussein, que fez parte da Força de Proteção da ONU para a Iugoslávia entre 1994 e 1996.

Porém, a presidente da associação das mães dos redutos de Srebrenica e Zepa não se sentiu totalmente contemplada com a decisão. "Estou parcialmente satisfeita. É mais que para [Radovan] Karadzic. Mas não o declararam culpado da acusação de genocídio de vários povoados", afirmou Munira Subasic à AFP.

Leia também: Refugiada da Bósnia e militar brasileiro lembram conflito após 20 anos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.