Venezuela impede declaração final de Cúpula

Por Ansa |

compartilhe

Tamanho do texto

Mais de 30 líderes americanos estão reunidos no Panamá, entre eles está a presidente Dilma Rousseff

Os chanceleres dos países participantes da 7ª Cúpula das Américas tentaram ontem (9) negociar uma declaração conjunta no Panamá, mas não chegaram a nenhum consenso. O principal obstáculo foi a ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez, que quer incluir no texto uma condenação às sanções norte-americanas a sete funcionários do país.

Leia também:

Dilma participa da 7ª Cúpula das Américas e de encontros bilaterais no Panamá

Chefes da diplomacia norte-americana e cubana têm encontro histórico no Panamá

Cerimonial de Dilma chama Zuckerberg, do Facebook, de Suckerberg

A tensão entre os Estados Unidos e a Venezuela, acirradas após Washington declarar que o país latino é uma "ameaça", deve ser protagonista da cúpula de presidentes, que começou nesta sexta-feira. Por outro lado, o evento também é um marco por reunir, pela primeira vez em meio século, representantes de Cuba e dos Estados Unidos.

 Enquanto EUA e Cuba acertam suas relações, a Venezuela desponta como o novo opositor ideológico da política norte-americana no continente. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que as recentes declarações de Obama reduziram as chances para "uma nova era" nas relações bilaterais. "

Eu coloco sobre a mesa a menos de 24 horas da Cúpula das Américas. Pergunto a Obama por que ele assinou o decreto que ameaça e agride a Venezuela, e diz que somos uma ameaça ao povo dos Estados Unidos?", questionou o mandatário, em rede nacional.

Maduro se reuniu ontem (9) com o líder boliviano, Evo Morales, para recolher assinaturas contra o decreto norte-americano. De acordo com o governo venezuelano, já foram colhidas mais de 10 milhões de firmas. As assinaturas deverão ser apresentadas a Obama durante a Cúpula das Américas, que termina no sábado.

A tentativa da Venezuela de incluir trechos contra os EUA na declaração final frustou os diplomatas dos outros países. O chanceler brasileiro, Mauro Vieira, que não participava da reunião, precisou ser chamado às pressas para tentar mediar um diálogo com a chanceler venezuelana e evitar o fracasso da declaração conjunta. Caso não haja consenso, esta será a terceira vez que a Cúpula das Américas termina sem um texto.

Dilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas e de encontros bilaterais
. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos Públicas


Leia tudo sobre: venezuelacúpula das américas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas