Sequestradores libertam jornalista americano desaparecido na Síria desde 2012

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Theo Cursis teria sido entregue a um representante da ONU na Síria; libertação acontece poucos dias após execução de outro jornalista americano por militantes do Estado Islâmico

Reuters

Sequestradores libertaram na Síria um jornalista norte-americano desaparecido desde 2012, disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, neste domingo.

Kerry afirmou em comunicado que anunciava a libertação de Theo Curtis que os Estados Unidos estavam usando "todas as ferramentas diplomáticas, de inteligência e militar" à sua disposição para garantir a libertação dos outros norte-americanos mantidos como reféns na Síria.

Domingo (24): 

Cinco países árabes defendem luta contra jihadistas do Estado Islâmico

Britânicos estão perto de identificar homem que decapitou jornalista dos EUA

A notícia da libertação de Curtis ocorre poucos dias depois que militantes do grupo Estado Islâmico mataram o jornalista dos EUA James Foley, que foi sequestrado na Síria em 2012.

Dia 19: Radicais islâmicos dizem ter decapitado jornalista americano e fazem ameaças

Uma fonte do Catar disse à Reuters que Curtis tinha sido entregue a um representante da Organização das Nações Unidas na Síria.

James Foley: Sequestrado duas vezes, jornalista decapitado tinha 'atração pelo conflito'

James Foley sorri durante apuração na Síria; veja fotos do jornalista, decapitado por rebeldes do EI - morte foi divulgada em video na terça-feira (19). Foto: APJames Foley durante incansável trabalho na Síria, onde foi sequestrado em 2012. Foto: APOs pais do jornalista James Foley se emocionam com morte do filho um dia após divulgação do vídeo, nesta quarta-feira (20). Foto: APFoley no vídeo que registra suas últimas imagens ainda com vida, no qual é ameaçado por insurgente do Estado Islâmico, na Síria. Foto: Youtube/ReproduçãoFoley em seu último momento, segundos antes de ser decapitado por insurgente do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/Youtube

"Agências de inteligência do Catar estão por trás da libertação do jornalista americano na Síria. O Catar, como muitos outros países, busca libertar aqueles em cativeiro por razões humanitárias", acrescentou a fonte.

Resgate: Grupo extremista pediu US$ 132,5 milhões para libertar jornalista americano

A fonte do Catar não deu detalhes sobre o que o país havia feito para libertá-lo, dizendo apenas que tinha sido uma questão de "comunicação com as pessoas certas na Síria".

Leia tudo sobre: eiil no iraquejornalista sequestradosíriairaqueonujihadestado islâmico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas