'Rússia parece manter aberta a opção de mais intervenções na Ucrânia', diz secretário-geral, que não descarta novas sanções

Reuters

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, afirmou nesta quinta-feira que pelo menos mais alguns milhares de soldados da Rússia estão na fronteira leste da Ucrânia, um aumento que classificou como um lamentável revés.

Quarta: Presidente da Ucrânia anuncia plano de cessar-fogo após conversa com Putin

Combatente pró-Rússia fuma na vila de Karlivka durante entrega de corpos de soldados ucranianos mortos em avião abatido perto de Luhansk (18/6)
AP
Combatente pró-Rússia fuma na vila de Karlivka durante entrega de corpos de soldados ucranianos mortos em avião abatido perto de Luhansk (18/6)

Segunda: Rússia corta fornecimento de gás da Ucrânia em aumento de tensão com Kiev

Após Moscou anexar a região da Crimeia em março , a Otan afirmou que a Rússia deslocou 40 mil homens e os instalou perto da fronteira com a Ucrânia. O país já retirou a grande maioria dos militares da região e apenas uma unidade e mil soldados permaneciam até uma semana atrás.

"Vemos novamente um incremento das tropas da Rússia na fronteira com a Ucrânia. Pelo menos alguns milhares de soldados russos foram instalados", afirmou Rasmussen em Londres.

Sábado: Pró-russos matam 49 ao derrubar avião de transporte militar da Ucrânia

"Eu considero isso um lamentável passo para trás. Parece que a Rússia mantém aberta a opção de mais intervenções na Ucrânia", disse. "A comunidade internacional terá de responder de maneira firme se a Rússia intervir novamente na Ucrânia."

E acrescentou: "Isso implicaria em sanções econômicas mais duras contra a Rússia que teriam um efeito muito danoso à economia russa."

Veja as imagens de pró-russos e de tropas da Rússia na Ucrânia:

Nos últimos dias, a Otan registrou evidências de movimentação de algumas unidades mecanizadas, incluindo alguns milhares de soldados russos perto da fronteira com a Ucrânia, afirmou uma autoridade militar da Otan.

"Essas tropas não parecem estar engajadas em atividades de patrulha de fronteira. Estão se concentrando em algumas áreas e preparando e esperando novas ordens", disse a autoridade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.