Na ONU, Dilma diz que espionagem é 'afronta' e 'fere direito internacional'

Por Leda Balbino - de Nova York* | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Líder brasileira propõe esforço internacional para combater 'grave violação dos direitos humanos e civis'

Em um discurso duro, a presidente Dilma Rousseff defendeu nesta terça-feira o direito à privacidade dos indivíduos e a soberania das nações ao denunciar a espionagem americana em todo o mundo como uma atividade que fere a lei internacional.

Após criticar espionagem: Dilma tenta evitar abalo comercial entre Brasil e EUA

Denúncias:

-Presidente Dilma 'foi alvo de espionagem dos EUA'
-Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA

Para combater o que descreveu como uma “grave violação dos direitos humanos e das liberdades civis” e uma “afronta aos princípios que devem guiar as relações entre os países”, a líder anunciou que o Brasil apresentará propostas para o estabelecimento de um marco civil multilateral para a governança e uso da internet para assegurar a efetiva proteção dos dados que navegam pela internet.

"Na ausência do direito à privacidade, não pode haver verdadeira liberdade de expressão e opinião e, portanto, nenhuma democracia efetiva", afirmou ao abrir o debate da 68ª Assembleia Geral da ONU. "O direito à segurança de cidadãos de um país nunca pode ser garantido pela violação de direitos humanos fundamentais de cidadãos de outro país."

Cristina: Dilma enfrenta denúncia de espionagem dos EUA com dignidade

Análise: Espionagem causa mal-estar, mas não muda relações de EUA e Brasil

Reação no Brasil: Senado instala CPI da Espionagem

Em seu pronunciamento, a presidente afirmou que o Brasil fará tudo o que estiver a seu alcance para adotar legislações, tecnologias e mecanismos para proteger o País de "interceptações ilegais de comunicações e de dados". Mas, pontuando que o problema vai além de uma relação bilateral dos EUA com o Brasil, a líder brasileira conclamou um esforço conjunto da comunidade internacional liderado pela ONU para evitar que o ciberespaço seja usado como "uma arma de guerra, por meio da espionagem, sabotagem e ataques contra sistemas e infraestrutura de outros países".

Ao afirmar que informação de companhias brasileiras, “frequentemente de alto valor econômico e mesmo estratégico”, e de missões diplomáticas do País foram alvo das atividades da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês), a presidente caracterizou a espionagem americana no Brasil como ainda mais séria do que em outros países.

A líder brasileira também rejeitou o argumento americano de que a espionagem é necessária para proteger nações contra o terrorismo, afirmando que o Brasil rejeita, combate e não abriga grupos terroristas. "Já lutei contra a censura, não posso deixar de defender o direito à privacidade dos indivíduos e a soberania do meu país", afirmou.

De acordo com documentos vazados pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden, comunicações por email e telefone de milhões de brasileiros, incluindo da própria presidente, de seus assessores e da multinacional Petrobras foram interceptados pelo governo americano.

AP
Presidente Dilma Rousseff durante discurso de abertura da 68ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York

Tensão diplomática

O discurso foi feito exatamente uma semana depois de Dilma ter cancelado a visita como chefe de Estado que faria a Washington em 23 de outubro com o argumento de que houve falta de explicação dos EUA sobre o caso.

"Governos amigos e sociedades que buscam uma verdadeira parceria estratégica, como é o nosso caso, não podem permitir que recorrentes ações ilegais aconteçam como se fossem normais", afirmou. "Elas são inaceitáveis." 

Em seu pronunciamento, a líder brasileira também repudiu o ataque terrorista em Nairóbi, Quênia, receitou a via diplomática para solucionar o conflito na Síria e defendeu o direito dos palestinos a um Estado. Em relação ao Brasil, ela lembrou os esforços do País para combater a pobreza, a fome e a desigualdade social.

Sem condições: Dilma diz que cancelou viagem por 'ausência de apuração'

Realizada anualmente na sede da ONU, em Nova York, a Assembleia é o único fórum oficial a contar com a presença de representantes de todos os 193 países-membro da organização. Neste ano, o evento reúne aos menos 131 chefes de Estado e governo, além de ao menos 60 ministros de Relações Exteriores. O tema deste ano é “Agenda de Desenvolvimento Pós-2015: Preparando o Cenário”, em referência aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecidos pela ONU em 2000 para ser alcançados até 2015.

Nesse aspecto, a líder pontuou que a Agenda pós-2015 deve ter em foco os resultados da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, realizada no Brasil no ano passado.

Em 2011, a presidente se tornou a primeira mulher a discursar na abertura dos trabalhos da principal reunião de chefes de Estado do órgão, tradicionalmente iniciada por brasileiros desde 1947. Antes de discursar, a líder brasileira manteve um encontro bilateral com o secretário-geral da ONU, Ban ki-moon.

Veja imagens da 68ª Assembleia Geral da ONU:

Autoridades se reúnem para o primeiro dia de debate na 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York (24/9). Foto: APPresidente brasileira, Dilma Rousseff, discursa na abertura da 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York (24/9). Foto: APSecretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, faz discurso antes da abertura dos debates na Assembleia Geral da ONU em Nova York (24/9). Foto: APAntes de discursar, presidente Dilma Rousseff se encontrou com secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (24/9). Foto: APPresidente dos EUA, Barack Obama, cumprimenta secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, após discurso de líder (24/9). Foto: APPresidente palestino Mahmoud Abbas se reúne com secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em Nova York, EUA (24/9). Foto: AP

Dilma volta à ONU às 15h (16h em Brasília) desta terça para a primeira reunião do Fórum de Alto Nível de Desenvolvimento Sustentável, que reúne ministros de Meio Ambiente anualmente e chefes de Estado a cada quatro. A meta é implementar as metas estabelecidas no documento final da Rio+20, intitulado “O Futuro que Queremos”. Na quarta-feira, em seu último dia em Nova York, a presidente brasileira participa de um seminário do banco Goldman Sachs.

*Repórter viaja como bolsista da Dag Hammarskjöld Fellowship, da ONU

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas