Parentes apresentam queixa-crime contra neto de Mandela por exumação de corpos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mandla Mandela teria alterado local onde jaziam restos mortais de filhos do ex-presidente sul-africano

Uma briga de família sobre o local do enterro de três dos filhos de Nelson Mandela se intensificou nesta terça-feira (2), quando alguns parentes apresentaram uma queixa-crime contra um dos netos do ex-presidente sul-africano, que permanece internado em estado crítico.

AP
Mandla Mandela, neto de Nelson Mandela, e sua mulher, Malentle Makhathini-Mandela, rezam durante missa especial em Qunu, África do Sul

Leia mais: 'É a vontade de Deus', diz ex-mulher de Mandela

África do Sul: Obama visita prisão onde esteve Mandela

Dezesseis parentes apresentaram uma queixa-crime contra Mandla Mandela ao tribunal depois que ele enterrou os restos mortais dos filhos de Mandela na cidade natal do ex-presidente Mvezo, em 2011. Os parentes de Mandela alegam que Mandla não tinha permissão e nem informou aos membros da família de que faria isso.

Obama na África do Sul: Mandela é uma 'inspiração para o mundo'

Makaziwe: 'Estado de saúde é muito crítico', diz filha de Mandela

O reverenciado ícone da luta antiapartheid já havia dito que queria ser enterrado em Qunu, onde jaziam os corpos de seus filhos, na campa da família. Mandla Mandela teria movido os restos mortais a Mvezo, onde planeja abrir um hotel.

NYT: Disputa por Mandela transforma seu legado em troféu

A polícia afirmou que Mandla Mandela foi acusado de "adulterar um túmulo", em relação à exumação de três corpos. "Um caso foi aberto na delegacia e ainda estamos investigando", disse o coronel Mzukisi Fatyela, que negou revelar o autor das acusações.

TV CNN: Mandela é mantido vivo com ajuda de aparelhos

Oração: Arcebispo sul-africano pede 'fim pacífico' para Mandela

Nelson Mandela foi internado em um hospital de Pretória em 8 de junho por causa de uma recorrente infecção pulmonar. Desde então, houve uma onda de preocupação na África do Sul e em todo mundo pelo homem que passou 27 anos na prisão sob o regime de apartheid e se tornou, quatro anos depois de sua libertação, o primeiro presidente negro do país.

20 anos após eleições: Soweto reflete avanço da África do Sul

Autoridades também anunciaram nesta terça-feira que o ex-presidente F.W. de Klerk, que compartilhou o Prêmio Nobel da Paz com Mandela em 1993, também está com problemas no coração e deverá colocar um marcapasso. De Klerk é o último líder da era apartheid na África do Sul e libertou Mandela da prisão.

Terça: África do Sul planeja aniversário de Mandela

Entrevista: 'Apartheid deve ser perdoado, mas não esquecido'

Uma fundação com base na Cidade do Cabo disse que De Klerk, 77 anos, passou mal quando chegou em casa no domingo após uma viagem para a Europa e consultou um médico, que recomendou o uso do marcapasso.

O presidente sul-africano divulgou um comunicado desejando ao ex-líder uma rápida recuperação.

Com AP

Leia tudo sobre: áfrica do sulmandlamandelanelson mandelaenterrojazigo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas