Com ingressos esgotados, ópera de Roger Waters "não tem nada a ver com rock"

Por Susan Souza , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

"Ça Ira - Há Esperança" se inspira na Revolução Francesa e ganha montagem brasileira no Theatro Municipal de São Paulo

Os ideais de "liberdade, igualdade e fraternidade" da Revolução Francesa mexeram com o músico Roger Waters, que ficou famoso como baixista da banda de rock progressivo Pink Floyd. Tanto que esse inglês de 69 anos compôs uma ópera sobre o assunto, "Ça Ira - Há Esperança", que chega ao Brasil para quatro apresentações em maio. Com ingressos esgotados desde a tarde desta segunda-feira (29), as quatro datas de apresentação terão músicos exclusivamente brasileiros da Orquestra Sinfônica e do Coral Lírico de São Paulo.

O músico Roger Waters fala sobre a ópera 'Ça Ira – Há Esperança'. Foto: DivulgaçãoEnsaio da ópera 'Ça Ira – Há Esperança'. Foto: Carol Sachs/DivulgaçãoEnsaio da ópera 'Ça Ira – Há Esperança'. Foto: Carol Sachs/DivulgaçãoO diretor cênico André Heller-Lopez, Roger Waters e o maestro Rick Wentworth. Foto: Divulgação

"Não é uma fusão [de gêneros]. É uma orquestra sinfônica, há cantores líricos no palco e não tem nada a ver com rock and roll", definiu Waters. Inspirada no texto do autor francês Etienne Roda-Gil, a ópera aborda embates da liberdade versus a restrição e, na entrevista, o músico não exitou, ainda que aparentando timidez, em ler o trecho inicial da obra. "Me mostraram o libreto ilustrado, é lindo de olhar. Li aquilo e falei: 'É forte!'."

Carol Sachs/Divulgação
Ensaio da ópera 'Ça Ira – Há Esperança'

O espetáculo já foi montado no Brasil, em 2008, no Teatro Amazonas, em Manaus. Pela primeira vez em São Paulo, o diretor André Heller-Lopes espera que o público se aproxime desta obra erudita, que tem ingressos entre R$ 40 e R$ 100. "Esta ópera tem uma mensagem forte de liberdade, que transcende a Revolução Francesa", conta. A inspiração para a adaptação brasileira veio do artista Arthur Bispo do Rosário, que criou suas principais obras durante o tempo em que passou internado em um manicômio. "A ideia de lunáticos que se transformam pelo desejo de buscar a liberdade, vivida por Bispo, foi influência", explicou o diretor.

Siga o iG Cultura no Twitter

Sob a regência de Rick Wentworth, que esteve à frente de trilhas de filmes como "Alice no País das Maravilhas" e "A Fantástica Fábrica de Chocolates", do diretor Tim Burton, Rick trabalha com Roger Waters em "Ça Va" desde os anos 1990. O maestro afirma que a versão brasileira do espetáculo é "contemporânea e teatral" e que as duas novas passagens criadas para as apresentações no Theatro Municipal são "revelações" até mesmo para ele, que tem "uma fixação pelo material antigo".

"Ça Ira - Há Esperança"
Theatro Municipal de São Paulo (pça. Ramos de Azevedo, s/nº, São Paulo)
Dias: 2, 4, 7 e 9 de maio
Horário: 20h
Ingressos: R$ 40, R$ 60 e R$ 100 (esgotados)

Leia tudo sobre: Roger WatersÇa Iraóperaigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas