Nasa se prepara para lançar robô Curiosity a Marte

Novo jipe-robô vai buscar áreas habitáveis no planeta vermelho

iG São Paulo |

Nasa
Curiosity deve ser lançado no sábado

Os técnicos da agência espacial americana anunciaram nesta quarta-feira (23) que está tudo pronto para o lançamento dojipe-robô, que viajará a Marte para prospectar áreas habitáveis no planeta vermelho.O Laboratório Científico de Marte, também chamado de Curiosity, custou 2,5 bilhões de dólares e será lançado a bordo do foguete não-tripulado Atlas 5. A previsão é que isso aconteça às 10h02 de sábado (13h02, pelo horário de Brasília), na Base Aérea do Cabo Canaveral, na Flórida. Depois de uma viagem de 9,65 milhões de quilômetros nos próximos oito meses e meio, ele se aproximará da cratera Gale de Marte.

"Esta é a missão mais complicada que já tentamos na superfície de Marte", disse a jornalistas na quarta-feira o gerente do projeto na Lockheed Martin, Peter Theisinger. A empresa é a principal contratada pela Nasa para desenvolver o jipe-robô.

O novo jipe-robô vai buscar elementos essenciais para a vida, especialmente as substâncias orgânicas. O equipamento, projetado para durar dois anos, está equipado com dez ferramentas. Ele trabalhará em um local particularmente interessante do planeta, a cratera Gale, com 154 quilômetros de diâmetro. Dentro dela há uma montanha com depósitos em camadas, erguendo-se a 4.800 metros - o dobro da altura das camadas que formam o Grand Canyon, nos EUA.

Os cientistas não sabem como o morro se formou, mas suspeitam que ele resulte da erosão de sedimentos que no passado preenchiam completamente a cratera.

Curiosity irá mais longe
A plataforma superior, equipada com foguetes, se manterá a cerca de 40 metros da superfície e fará o robô descer a Marte. "Os Estados Unidos são o único país do mundo que levou a Marte e já fez operar em sua superfície os exploradores robóticos", disse Colleen Hartman, executiva da agência espacial.Harman. "Mas este, o Curiosity, é um robô com esteroides".

O Curiosity pesa uma tonelada e tem três metros de comprimento. É cinco vezes mais pesado que os robôs antecessores - os exploradores Spirit e Opportunity, que chegaram a Marte em janeiro de 2004 na busca de rastros de água.

"O Curiosity irá mais longe e descobrirá muito mais que o imaginado", destacou Hartman. "Eu acredito que estarei viva no dia em que poderemos ver a primeira astronauta a pisar sua bota em Marte".

Na década de 1970, após enviarem a Marte as sondas gêmeas Viking, os cientistas chegaram a um consenso de que não há vida no planeta vermelho. Agora, a estratégia da agência espacial é buscar sinais de água no passado marciano, vinculando a busca pela vida a uma melhor compreensão do ambiente local.

"Tudo que sabemos sobre a vida e o que torna um ambiente vivível é peculiar à Terra", disse a astrobióloga Pamela Conrad, da Nasa, subchefe científica da missão.

Sem ter uma lua suficientemente grande para estabilizar sua inclinação, Marte passa por mudanças climáticas dramáticas ao longo das eras, já que seu eixo oscila entre ficar mais perto e mais distante do Sol.

NASA/JPL-Caltech/ASU
A cratera Gale está posicionada em uma área de pouca altitude em Marte
A história do que aconteceu com Marte ao longo de milhões de anos está quimicamente escrita nas suas rochas, o que inclui pistas sobre se o planeta já teve em sua superfície água líquida e outros ingredientes supostamente necessários à vida, e por quanto tempo.

Os antecessores
Em 2004, dois jipes-robôs menores, o Spirit e o Opportunity, pousaram em pontos opostos do planeta para procurar água. Deveriam funcionar por três meses, mas a missão acabou durando vários anos. A Spirit sucumbiu no ano passado ao rigoroso inverno local, e a Opportunity agora começou a explorar uma nova área, com argilas formadas por água. Ambas as sondas descobriram sinais de que a água teria se misturado às rochas de Marte no passado.

O diretor de lançamentos em Cabo Canaveral, Omar Báez, explicou que os técnicos completaram nesta quarta-feira uma nova revisão dos equipamentos e sistemas do foguete propulsor e a cápsula com o robô. "Tudo está pronto para a partida", resumiu ele.

"Na sexta-feira, levaremos o foguete e a cápsula do hangar à plataforma de lançamento", afirmou Báez. "E no sábado, às 3h da manhã (pelo horário local, 6h de Brasília), começará o abastecimento de combustível".

O lançamento, inicialmente previsto para sexta-feira, foi adiado para sábado após os técnicos terem constatado no último fim de semana que era necessário substituir uma das baterias do foguete que levará o robô.

Os engenheiros contam com um período de chances de lançamento até 18 de dezembro e esperam que tudo ocorra conforme o previsto para que o veículo chegue a Marte em agosto de 2012. O Laboratório Científico de Marte (MSL, na sigla em inglês) conta com dez instrumentos para buscar evidências de um ambiente propício para a vida microbiana, inclusive os ingredientes químicos essenciais para a vida.

Isso representa o dobro de instrumentos que os robôs lançados anteriormente pela Nasa. Este será o primeiro a utilizar um laser para analisar o interior das rochas e analisar os gases com o espectrômetro que pode enviar dados à Terra.

O Curiosity leva todos os instrumentos para medir as condições de vida no passado e no presente, estudando as condições ambientais do planeta. Ele buscará compostos que contenham carbono - um dos principais ingredientes para a vida como se conhece - e avaliará como eram em suas origens.

"Curiosity é o sonho de qualquer cientista"
Ao contrário dos outros robôs, o Curiosity conta com o equipamento necessário para obter amostras de rochas e solo e processá-las. A Nasa começou a planejar a missão MSL em 2003. Nos últimos oito anos, cientistas e engenheiros construíram e testaram as capacidades do robô, que, segundo as expectativas, levará a pesquisa planetária a outro nível.

"Esta máquina é o sonho de qualquer cientista", assinalou à imprensa Ashwin Vasavada, cientista adjunto do projeto MSL no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) em uma das sessões prévias informativas.

O Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, localizado na Califórnia, elaborou o Curiosity para que fosse capaz de superar obstáculos de até 65 centímetros de altura, com o objetivo de evitar que se prendesse, como aconteceu com o Spirit, e de se locomover cerca de 160 metros por dia.

(Com informações da Reuters e EFE)

    Leia tudo sobre: curiositymarteespaçonasa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG