Biodiversidade de florestas intocadas é insubstituível

Análise de ambientalistas mostra que crescimento de vegetação após desmatamento não recupera número de espécies. Brasil é destaque

Tatiana Tavares, especial para o iG |

Getty Images
Mico típico da Amazônia: mata recuperada não tem a mesma riqueza de espécies
Uma análise abrangente de 138 estudos publicada no periódico Nature nesta quarta-feira (14) indica que as chamadas florestas primárias – aquelas que não sofreram corte raso ou outras grandes alterações – são insubstituíveis no que se refere à manutenção da biodiversidade. O objetivo da análise global foi medir os efeitos variados de uso da terra e da degradação florestal sobre a biodiversidade em florestas tropicais.

Segundo os pesquisadores liderados por Luke Gibson, da Universidade Nacional de Cingapura, a biodiversidade das florestas tropicais é muito afetada pela degradação da natureza. E, ao contrário do que se imaginava até agora, as florestas secundárias, como é chamada a vegetação que nasce após corte de árvores ou o desmatamento, não são substitutas à altura das florestas primárias. Ou seja, as florestas degradadas e secundárias não oferecem a mesma biodiversidade ao ambiente.

“Nós mostramos que as florestas secundárias são invariavelmente pobres quando comparadas às florestas primárias não degradadas. Por isso, devemos fazer o que for possível para proteger as florestas primárias remanescentes”, disse ao iG o autor principal da análise, Luke Gibson.

“É arriscado dizer que florestas secundárias podem sustentar níveis altos de biodiversidade, porque isso pode levar as pessoas a tolerarem a perda das florestas tropicais primárias, se elas acharem que as secundárias são um substituto à altura. Mas esse não é o caso. Não há substituto para as florestas primárias”, enfatizou Gibson.

Dos 138 estudos analisados, 47 deram conta da América do Sul. Destes, 34 foram centrados sobre áreas no Brasil – o país com a maior fatia de pesquisas analisadas. Segundo Gibson, o Brasil tem a maior área remanescente de florestas tropicais primárias e também os mais altos níveis de biodiversidade de qualquer país do planeta. Por isso, de acordo com ele, a orientação dada pelo estudo de que o melhor a fazer é preservar as florestas primárias que ainda existem é ainda mais pertinente em se tratando de Brasil.

Entre os coautores do artigo está o brasileiro Carlos Peres, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido. Segundo ele, a retenção de grandes blocos de floresta primária em diferentes regiões ainda é a melhor solução para a conservação da biodiversidade florestal nos trópicos, incluindo o Brasil.

“O nosso trabalho confirma que mesmo a substituição gradativa por florestas manejadas por de corte seletivo, florestas secundárias e outros padrões de perturbação representa um cenário bastante pessimista para a persistência de espécies no Brasil e no mundo”, disse Peres ao iG .

Segundo Peres, a manutenção de florestas primárias relativamente intactas ainda é a melhor alternativa para a retenção de espécies de animais e vegetais.

Getty Images
Estudo mostrou que aves, como estas garças do Tapajós, são mais vulneráveis que mamíferos
Mamíferos e aves com comportamentos diferentes
Além da descoberta de que os valores da biodiversidade são mais baixos em florestas degradadas, a pesquisa também mostrou que este valor varia consideravelmente por região geográfica, grupo taxonômico, tipo de métrica e distúrbios ecológicos.

“Estudos anteriores descobriram que os mamíferos são mais tolerantes a florestas degradadas do que outros grupos taxonômicos, e na nossa pesquisa nós descobrimos que este foi mais uma vez o caso. Já com as aves o caso foi outro. Pássaros parecem particularmente sensíveis ao desenvolvimento agrícola”, exemplifica Gibson.

Valor mais baixo não significa valor nenhum
Com longa experiência em estudos acerca da Floresta Amazônica, o americano Thomas Lovejoy, professor da Universidade George Mason e chefe do setor de biodiversidade do Heinz Center e que também assina o estudo, chama a atenção sobre as florestas secundárias, afirmando que dizer que elas têm menos biodiversidade do que as florestas primárias não significa dizer que elas não tenham valor algum.

“As florestas secundárias podem funcionar como habitat adequado para a dispersão de espécies características de florestas mais antigas, por exemplo, além de ter valor, ainda que menor, para o ciclo de carbono”, disse Lovejoy ao iG .

    Leia tudo sobre: biodiversidadeamazôniamanejo florestalflorestas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG