Galeria de fotos: Conheça os mecanismos de defesa mais estranhos do mundo animal

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Entre eles estão caranguejo que golpeia oponente com veneno em forma de pompom e lagarto que esguicha o próprio sangue

O Lagarto de Chifres do gênero Phrynosoma recebeu esse apelido por causa de suas inúmeras escamas em forma de espinhos. Graças a elas, a criatura pode perfurar o estômago de predadores como a cobra. Mas sua "armadura" natural não é impenetrável e os répteis não são seus únicos predadores.

Para espantar coiotes e raposas, por exemplo, os lagartos precisam de mais empenho. Em um primeiro momento eles inflam o corpo para parecerem maiores e sibilam. Se isso não espantar os bichos, o animal aumenta a pressão sanguínea na cabeça, rompe os vasos ao redor do globo ocular e esguicha o próprio sangue pelos olhos na direção da boca do predador. No sangue há uma substância desagradável que engana os predadores sobre o provável sabor do réptil. Veja outros casos na galeria.

Lagarto de chifres: para escapar de predadores como raposas, o animal esguicha o próprio sangue dos olhos na direção da boca de seu oponente. Foto: Reprodução/YoutubeLagarto de chifres: o sabor do sangue não agrada o predador. Suas escamas em forma de espinhos podem machucar cobras, entre outros. Foto: Reprodução/YoutubePeixe-bruxa: sem osso ou cartilagem, o bicho produz ao menos um litro de mucosa por minuto quando ameaçado. Foto: Reprodução/YoutubePeixe-bruxa: a substância faz com que o predador morra sem ar pelo muco que fica grudado em suas glândulas. Foto: Reprodução/YoutubeSalamandra-de-costelas-salientes: para não ser comido, o animal se contorce e expõe as costelas, que perfuram sua pele. Foto: Reprodução/YoutubeSalamandra-de-costelas-salientes: além disso, o anfíbio ainda expele veneno. Seu corpo se regenera após a ação. Foto: Reprodução/YoutubeCaranguejo boxeador: o crustáceo se defende com suas anêmonas repletas de toxinas que mais parecem 'pompons' e podem matar predadores. Foto: Reprodução/YoutubePepino-do-mar: quando atacado, o equinoderme contrai o corpo e expulsa o sistema digestivo pelo ânus. Em algumas espécies, os intestinos são tóxicos. Foto: Wikimedia CommonsFormiga explosiva da Malásia: para defender a colônia, a espécie camponotus saundersi explode o próprio corpo. Foto: Wikimedia CommonsFormiga explosiva da Malásia: após ataque, o corpo do inseto se contrai e suas glândulas estouram fluído tóxico. Foto: Wikimedia CommonsPeixe-voador: eles são capazes de saltar para fora da água e planar por longas distâncias para escapar de predadores. Foto: Reprodução/YoutubeUrubu de cabeça vermelha: sob ameaça, a ave provoca o próprio vômito para expelir alimentos não digeridas e assustar seus predadores. Foto: Reprodução/YoutubeUrubu cabeça vermelha:  a ação produz um cheiro insuportável que afugenta ou distrai o predador, dando tempo de a ave fugir. Foto: Wikimedia Commons


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas