Televisores antigos são perigosos para o meio ambiente

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Tecnologia de tela plana tornou a reciclagem de monitores e televisores obsoleta e dizimou a demanda pelo tubo de vidro reciclado

Getty Images
Tsunami de vidro: falta de interesse comercial por reciclagem de televisores cria pontos de entulho tóxico

No ano passado, dois inspetores da agência de resíduos perigosos da Califórnia visitaram uma empresa de reciclagem de eletrônicos perto de Fresno, Nevada, para uma revisão de rotina quando se depararam com um armazém repleto com milhares de monitores e televisores velhos.

As caixas de papelão estavam empilhadas em fileiras de 2 metros de altura e 4 metros de profundidade. A camada de vidro quebrado no chão e o pó de chumbo no ar era tão espesso que os inspetores logo levantaram preocupações de segurança.

Leia também: 
Países pobres são destino 'de 80% do lixo eletrônico de nações ricas'
Mineração urbana pode ser fonte de ouro no lixo, diz relatório
Fotos denunciam riscos de reciclagem manual de lixo eletrônico
Japão recicla lixo eletrônico em busca de minerais raros
Gadgets são mais prejudiciais ao meio ambiente do que se imagina

Semanas mais tarde, o proprietário da empresa de reciclagem desapareceu, abandonando todo o lixo e deixando para trás uma ameaça tóxica e uma limpeza que custará caro para o Estado e para o proprietário do armazém.

Já faz algum tempo, os monitores e televisores quebrados, como os amontoados no armazém, estão sendo reciclados de uma maneira rentável. Os grandes funis no interior dessas máquinas - conhecidos como tubos – eram derretidos e transformados em novos.

Mas a tecnologia de tela plana tornou os monitores e televisores obsoletos, dizimando a demanda pelo tubo de vidro reciclado e criando o que os especialistas da indústria chamaram de "tsunami de vidro", à medida que estoques deste material se acumulam ao redor de todo o país.

A situação mostrou como pequenas mudanças no mercado de repente podem transformar um produto obsolete e demonstra as dificuldades que os reguladores ambientais federais e estaduais enfrentam ao lidar com essas mudanças rápidas.

"Muitas empresas de reciclagem menores estão sobrecarregadas e existe um risco de que elas possam abandonar seus estoques", disse Jason Linnell da Câmara de Coordenação de Reciclagem de Equipamentos Eletrônicos, uma organização que representa os reguladores ambientais do Estado, fabricantes de eletrônicos e recicladores.

Em fevereiro, o grupo enviou uma carta à Agência de Proteção Ambiental para pedir ajuda imediata para lidar com os estoques de vidro que vinham aumentando cada vez mais, muitos dos quais continham chumbo.

Com tão poucos compradores do vidro de chumbo dos antigos monitores e televisores, recicladores receberam pagamentos de Estados e empresas de eletrônicos para se livrarem das máquinas antigas. Um pequeno número de recicladores desenvolveram uma nova tecnologia para a limpeza do chumbo do tubo de vidro, mas a maior parte deste lixo está sendo armazenado, enviado para aterros sanitários ou eliminados de outras maneiras que especialistas disseram ser ambientalmente destrutivas.

"O problema agora é que a recolha destes resíduos está em alta, mas a demanda para o vidro que vem dele nunca esteve tão baixa", disse Neil Peters-Michaud, o executivo-chefe da Cascade Asset Management, uma empresa de reciclagem.

Por Ian Urbina

Leia tudo sobre: tecnologiareciclagemlixo eletrônico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas