WWF destaca três países no comércio ilegal de partes de animais

Vietnã, Laos e Moçambique despontam no relatório da organização como países que não reprimem tráfico de órgãos de espécies ameaçadas

Reuters |

Reuters

EFE
Órgão de tigres são usados em remédios da medicina tradicional chinesa

Vietnã, Laos e Moçambique são os países que menos fazem para reprimir o comércio ilegal de partes de animais, que está ameaçando a sobrevivência dos elefantes, rinocerontes e tigres, alertou o grupo de defesa do meio ambiente WWF nesta segunda-feira.

Em seu relatório 'Wildlife Crime Scorecard', a entidade disse que 23 países pesquisados, a maioria na África e na Ásia - as principais fontes e destino de partes de animais - poderiam fazer mais para impor o cumprimento das leis que proíbem um comércio que, segundo a WWF, está cada vez nas mãos de organizações criminosas internacionais.

'O ano passado teve o maior número de elefantes caçados na África na história', disse Wendy Elliott, gerente de programas do WWF Global Species, à Reuters em entrevista por telefone sobre o relatório.

Houve muitas apreensões grandes de marfim de elefante de mais de 800 quilos, afirmou, acrescentando que isso é um sinal de que 'há um crescente envolvimento do crime organizado neste tipo de comércio'.

Leia também:
Caça na África do Sul pode exterminar rinoceronte até 2020
Mais de 400 tartarugas são encontradas em malas em Bangladesh
Caça ilegal ameaça os últimos rinocerontes da África
Autoridades tailandesas apreendem peles de tigre enviadas por correio
Apreensão de marfim bate recorde em 2011, diz WWF
Leões africanos estão na mira dos traficantes de animais

'Atuações fracas dos países-chave estão ameaçando a sobrevivência de rinocerontes selvagens, tigres e elefantes', afirmou a WWF em um comunicado sobre as conclusões do relatório, que deve ser apresentado em uma reunião da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas, em Genebra (CITES), esta semana.

A CITES proíbe praticamente todo o comércio de marfim de elefante, chifre de rinoceronte e partes de tigres -- muitas vezes utilizados em remédios tradicionais -- a fim de tentar salvá-los da extinção. Os animais também estão sob ameaça de outros fatores, como a perda de habitat, alterações climáticas e poluição.

Melhoras na China
O relatório, que usou notas em vermelho, amarelo ou verde para indicar falha, falha parcial ou progresso, deu as piores notas para o Vietnã, Laos e Moçambique, com dois vermelhos cada.

Elliott disse que a demanda por chifre de rinoceronte no Vietnã tinha sido estimulada, em parte, por um boato infundado de que ajudava a curar o câncer.

'Um recorde de 448 rinocerontes sul-africanos foram mortos por causa de seus chifres em 2011 e o (Vietnã)... perdeu mais 262 já este ano', acrescentou Elliot.

A WWF afirmou que Moçambique não conseguiu deter o envolvimento dos seus cidadãos na caça ilegal de rinocerontes na África do Sul e não havia controlado o comércio do marfim apesar de alguns postos de checagem nos portos.

Laos e Vietnã não tinham declarado como iriam cumprir a proibição da reprodução em cativeiro de tigres para fabricação de remédios, acrescentou. O Laos também fracassou em controlar o comércio de marfim.

A China, tradicionalmente um mercado importante para partes de animais, foi premiada com notas verdes por seus esforços para diminuir o comércio ilegal de rinocerontes e tigres, mas recebeu uma nota amarela para o seu trabalho no comércio de marfim de elefante.

Índia e Nepal foram as únicas nações que obtiveram notas verdes para todos os três animais.

    Leia tudo sobre: WWFtráfico de animaisrinocerontetigres

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG