Funções novas do telescópio foram utilizadas no registro; para astrônomos, galáxia NGC 3344 ainda é enigmática e apresenta movimentação estranha

Galáxia distante equivale à metade da Via Láctea, mas, para os cientistas, se destaca por conta de sua beleza e estrutura
Reprodução/Nasa
Galáxia distante equivale à metade da Via Láctea, mas, para os cientistas, se destaca por conta de sua beleza e estrutura

O Telescópio Espacial Hubble, da Agência Espacial Norte-Americana ( Nasa ), capturou uma imagem de tirar o fôlego de uma galáxia espiral que fica a cerca de 20 milhões de anos-luz do planeta Terra. Conhecida como NGC 3344, o acumulado de estrelas está localizado na constelação de Leão Menor.

Leia também: Asteroide com formato de charuto está caindo em direção à Terra, diz estudo

A distante galáxia  tem tamanho comparado à metade da Via Láctea, mas, para os cientistas, se destaca por sua beleza. "A NGC 3344 é uma bela espiral galáctica. É misteriosa e bem estruturada, permitindo que os astrônomos registrem e estudem detalhes impressionantes”, expuseram os especialistas em nota divulgada pela Nasa na quarta-feira (14).

Hubble e a composição da imagem

De acordo com os estudiosos, a combinação das capacidades do Hubble e o posicionamento da galáxia foram essenciais para o registro. "A precisão desse telescópio para observar objetos em diferentes ângulos tornou possível revelar características que, com toda certeza, passariam despercebidas em outros aparelhos”, acrescentaram.

Leia também: Nasa divulga foto da Terra vista à distância recorde de 6 bilhões de quilômetros

A Nasa alegou que a imagem é um composto de registros tirados por meio de filtros variados, que vão do ultravioleta, de maior proximidade, ao óptico e ao infravermelho. Com a junção dessas ferramentas, o Hubble montou o aglomerado completo, concretizando a forma exata de como a espiral seria vista a olho nu.

Os chamados ‘braços’ que parecem dar voltas são os locais de nascimento de estrelas novas, cujas altas temperaturas faz com que se evidenciem de maneira mais brilhante. As nuvens de poeira e gás também podem ser identificadas, sendo distribuídas nesses mesmos ‘braços giratórios’, em vermelho.

Apesar de não fazerem parte da NGC 3344, estrelas grandiosas, que se assemelham a joias, se destacaram na imagem por estarem mais próximas da Terra, além  de integrarem sua própria espiral galáctica.  Segundo os pesquisadores, elas refletiram no momento em que o Hubble tirou a foto.

Leia também: Teóricos da conspiração encontram "prova" de que aliens estejam nos monitorando

“Embora a orientação revele muito sobre sua estrutura, essa galáxia ainda é muito enigmática para toda a equipe. Algumas de suas estrelas externas estão se movendo de maneira estranha e ainda não se sabe o motivo, mas há suspeitas de que outras esferas de plasma estejam sendo roubadas de galáxias vizinhas, como já ocorreu há muito tempo”, finalizaram.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.