Dona paga resgate por cão roubado de pet shop na zona sul de São Paulo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Poodle Nina foi levada durante assalto ao estabelecimento e voltou para casa depois de cinco dias

As donas de um cão da raça poodle roubado durante assalto a um pet shop na região do Morumbi, zona sul de São Paulo, pagaram resgate pelo bicho para levá-lo de volta para casa na noite desta terça-feira (10).

Conheça a nova home do Último Segundo

Reprodução/Facebook
A cadela Nina

A bióloga Carina Souza, uma das donas, conta que levou a cadela Nina para tomar banho no estabelecimento na última quinta-feira (19). Na hora de buscar, ela foi avisada do roubo. “Fiquei completamente desesperada”, conta Carina.

Ela e a irmã começaram a fazer campanha pela internet em busca da cadela e também pregaram cartazes, entregaram folhetos e usaram até carro de som para alertar a vizinhança sobre o sumiço. “A Nina é tudo para mim. É como uma filha”, diz a bióloga.

Leia também:

Sem poder usar túmulos comuns, donos pagam até R$ 3 mil por funeral de pet

Hospital gratuito para cães e gatos faz sucesso e ganha nova unidade em SP

Check-up deve fazer parte da rotina de cuidados com pets

No início da noite de terça, elas receberam uma ligação em que pediam pagamento de resgate pelo animal e marcavam o local para a entrega. A família preferiu não alertar a polícia. Feito o pagamento, a cadela foi devolvida. A protetora de animais Juana Braga afirma que esse tipo de caso tem se tornado frequente.

Procurar a polícia é a orientação da secretaria de Segurança Pública. "Todo crime deve ser comunicado às autoridades policiais, para que sejam investigados e que também contribuam com o direcionamento do policiamento preventivo. Com as ocorrências que envolvem animais domésticos, com troca mediante pagamento, não deve ser diferente e podem ser registradas no distrito policial mais próximo."

O especialista em segurança pública e privada Jorge Lordello diz que com o pagamento do resgate e sem o alerta às autoridades, há o risco de a entrega não acontecer e também do caso se repetir. "O leigo no momento de sufoco acredita que a melhor alternativa é pagar e entra no jogo do criminoso”, alerta Lordello. Ele diz ainda que, como o pedido de resgate acontece por telefone, a recomendação é contar com um identificador de chamadas.

Leia tudo sobre: bichosanimaispoodlerouboigspsão pauloviol~enciasegurança

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas