Morre um dos três bebês isolados após interdição de UTI neonatal em São Paulo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Unidade do Hospital Municipal Irmã Dulce, em Praia Grande, foi fechada por tempo indeterminado após contaminação por bactéria na última quarta-feira (7)

Agência Brasil

Um dos três recém-nascidos internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal do Hospital Municipal Irmã Dulce, em Praia Grande, litoral de São Paulo, morreu na noite de ontem (7). A menina era uma das três crianças que estavam isoladas para tratamento após a interdição da UTI neonatal da unidade pela Vigilância Sanitária. A medida foi tomada depois que os recém-nascidos prematuros contraíram uma infecção causada pela bactéria Acinetobacter baumanii.

Entenda: UTI neonatal é interditada após infecção de recém-nascidos por bactéria em SP

A causa da morte será apurada pelo Serviço de Verificação de Óbito (SVO), para onde o corpo do bebê foi encaminhado. De acordo com o hospital, os exames laboratoriais não demonstraram a presença da bactéria na recém-nascida, que foi isolada porque teve contato com os outros bebês contaminados durante o período em que esteve na UTI.

O assistente da Diretoria Técnica do Hospital Irmã Dulce, o médico Airton Gomes, ressaltou por meio de nota do hospital que não há relação entre a morte da criança e a bactéria e que os exames apontaram a presença de outro micro-organismo. “Não existe nenhuma relação entre este óbito e colonização pela Acinetobacter[baumanii] multirresistente”, disse.

Grande SP: Mistério envolve nascimento de bebê em Mauá
Relembre: Bacilo da tuberculose contamina 18 bebês em Campinas

Segundo Gomes, o bebê nasceu no dia 9 de janeiro, com 1,215 quilo, em decorrência de uma infecção urinária da mãe. “Ressaltamos que as crianças prematuras e com baixo peso apresentam elevadas taxas de mortalidade e que esta criança faleceu em decorrência de intercorrências clínicas não relacionadas à supracitada bactéria”, acrescentou o médico.

De acordo com o hospital, o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da instituição tomou todas as medidas e precauções necessárias para impedir contaminações. A UTI neonatal, localizada no térreo, continua interditada para novos atendimentos por tempo indeterminado. Em casos emergenciais, os pacientes serão levados para cinco leitos da UTI pediátrica, no quinto andar.

O último boletim médico indicou que, dos dois bebês atualmente internados na UTI neonatal, um apresentou melhora no quadro clínico, mas continua sem previsão de alta médica. O outro permanece em estado grave.

A Vigilância Sanitária da cidade informou que aguarda a alta médica dos pacientes para fazer os procedimentos de desinfecção e esterilização do local e dos equipamentos.

Leia tudo sobre: uti neonatalinterdiçãobactéria

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas